Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 19 de Junho de 2018. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
21299885


Edicão n° 180 de Junho 2018


SAúDE

Tempo seco pode agravar as crises alérgicas


O inverno se aproxima, as temperaturas caem, o ar fica mais seco, e, com essa junção, os
quadros alérgicos pioram. Difícil não coçar o nariz ou espirrar durante este período e segundo
a alergologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Yara Mello, o agravamento da
alergia está relacionado a diferentes fatores existentes na estação mais fria do ano.

O primeiro fator agravante do inverno é o tempo seco, que apresenta uma quantidade maior
de partículas suspensas e, consequentemente, acaba sendo prejudicial ao alérgico. Yara
explica que além desta característica, a secura do ar pode "sugar" com mais facilidade a água
do organismo, o que potencializa a irritabilidade do trato respiratório.

Outro motivo que não é nada favorável aos alérgicos, são as infecções das vias aéreas. "Nesta
época do ano as pessoas costumam deixar os ambientes mais fechados, o que facilita o
contagio, tanto das infecções virais quanto as bacterianas é também um gatilho para a crise
alérgica", endossa a especialista.

Apesar das alergias respiratórias possuírem sinais semelhantes aos de uma gripe, a confusão
é rapidamente desfeita, como explica a médica. "Os sintomas iniciais podem ser confundidos,
já que o espirro e coceira no nariz estão presentes nos dois casos. Porém, com a evolução, é
possível diferenciar, pois quem está com gripe apresentará outros sinais, como febre, mal
estar e dor muscular".

Para sofrer menos com as crises não só durante o inverno, o tratamento é indispensável e, o
primeiro passo, é o diagnóstico correto. "A prevenção é iniciada com o diagnóstico correto,
que inclui saber qual é o tipo de sensibilidade que a pessoa tem. Após isso, é possível usar
duas formas de controle, uma é cuidar do ambiente, principalmente do quarto e outra,
associada à primeira, o tratamento de imunoterapia, conhecida como vacina para alergia",
enfatiza a alergologista.

O cuidado com o ambiente, citado por Yara Mello, inclui ações simples que ajudam a contornar
o problema - como tirar do local, principalmente do quarto, objetos que acumulem pó -
manter colchões e travesseiros encapados com tecidos específicos, a fim de impedir a saída do
pó, lavar os casacos e cobertores antes de usar e deixar as roupas arejando no sol.

...

Dermatologistas estimulam a autoestima dos pacientes com maquiagem corretiva


O rosto é a principal referência estética das pessoas. Por isso, marcas na face fazem
com que pacientes escondam-se ou tenham vergonha de usar maquiagem, com receio
de ressaltar as imperfeições. Com o objetivo de auxiliar pacientes com doenças
dermatológicas que deixam marcas e manchas no rosto em outras partes do corpo, a
Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS (SBD-RS), promoveu um curso de
automaquiagem corretiva.

- Nem sempre a pele é como gostaríamos. O rosto é a ligação com o mundo exterior. Ter
autoestima elevada é essencial para que estes pacientes mostrem para as outras
pessoas o que são, mesmo que tenham alguma marca. É importante ter
autoconhecimento sobre o problema dermatológico, para facilitar a autoaceitação,
sabendo lidar com os preconceitos que possam surgir. Com as redes sociais, o uso da
maquiagem para estas pessoas ficou mais evidente – explicou a secretária-geral da
SBD-RS, Ana Paula Manzoni.

Um dos casos mostrados foi o da Gabriela Mardini Faccioli, de 32 anos. Com
hemangioma desde o nascimento, a servidora pública estadual está acostumada com a
mancha, mas tinha curiosidade de saber como ficaria seu rosto com a maquiagem
corretiva. Ficou surpresa com o resultado alcançado pelo trabalho das maquiadoras
Lucilene Thielen e Thais Cardoso, que ajudaram a ministrar o curso.

- Eu gosto do meu rosto e gosto de me ver com a mancha. É uma identificação minha e
sempre achei que não gostaria de me ver com maquiagem. Porém, amei o resultado de
hoje e é uma forma de elevar a autoestima, sem perder a identidade. Não vou me
esconder atrás da maquiagem, mas posso mudar às vezes, me surpreender comigo
mesma – avaliou.

A pedagoga Michele de Azevedo Zatar ficou com o rosto manchado após a adolescência
e uma série de espinhas internas que surgiram, sem que tivesse um tratamento
dermatológico adequado.

- Sempre tive receio de me maquiar e ressaltar ainda mais as marcas. O curso me
deixou bem animada, pois foi voltado para pacientes com problemas como o meu. As
maquiadoras ensinaram como deixar nossas manchas mais discretas com truques
simples. É uma forma de elevarmos a nossa autoestima. É sempre bom olhar no espelho
e ver uma pessoa mais alegre e a maquiagem é uma ferramenta poderosa de deixar as
mulheres, principalmente, mais felizes consigo mesmas – salientou.

O curso promoveu maquiagens em pacientes com diversos problemas dermatológicos,
como vitiligo, espinhas, melasmas, olheiras, hemangiomas e até acidentes na infância.

- Queremos trazer autoconfiança para as pessoas e a maquiagem ajuda a proporcionar.
Não podemos esconder o que somos, mas a maquiagem tem o poder de nos ajudar nos
dias que estamos mais desanimados – afirmou a maquiadora Lucilene Thielen.

O curso de automaquiagem, com o apoio de Vichy, ocorreu na manhã de sábado
(16/06), no Centro de Eventos AMRIGS, em Porto Alegre (RS). Contou com a presença
de aproximadamente setenta pessoas.


Fonte: PlayPress ...

Estudo identifica possível correlação entre uso de anabolizantes e câncer de fígado


Um estudo conduzido pelos oncologistas Gustavo Fernandes e Rafael Correa e pela geneticista Cinthya Sternberg, integrantes da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, analisou a correlação entre o uso indiscriminado e prolongado de hormônios e anabolizantes e o desenvolvimento de hepatocarcinomas, uma forma de câncer de fígado que corresponde a 90% de todos os tumores originários no órgão e é responsável por cerca de 15% de todas as mortes por falência hepática no mundo.

O levantamento, feito a partir da análise de estudos clínicos, revisões de literatura e relatos de caso, traz indícios de que o desenvolvimento do subtipo da doença é mais comum em decorrência de abuso de anabolizantes por um tempo considerável (entre dois e sete anos), mas é amplificado pela questão da idade precoce. “Isso se deve especialmente porque dois terços das pessoas que acabam abusando dos esteroides anabolizantes começam a consumi-los a partir dos 16 anos”, afirma o Dr. Gustavo Fernandes, Diretor da SBOC.


“Tradicionalmente, hepatocarcinomas são agressivos e difíceis de serem diagnosticados. Já sabíamos que a doença pode ter como origem casos de hepatite B, alimentação inadequada e consumo de álcool. Ainda que não seja possível afirmar cientificamente que o abuso de anabolizantes possa resultar neste tipo de câncer, o levantamento mostra que é necessário desde já alertar a população, especialmente jovem, para este risco”, afirma Fernandes.



Um dos principais problemas, segundo os pesquisadores, é que, tradicionalmente, os brasileiros não costumam se preocupar com doenças sérias, como o câncer, nessa idade. Segundo dados de uma recente pesquisa da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, mais de um terço das pessoas de 18 a 29 anos não realizam qualquer exame preventivo contra câncer no Brasil. “A equação desconhecimento mais falta de medidas preventivas costuma ter resultados desastrosos. O fato de os jovens começarem o uso de hormônios sintéticos tão cedo, aliado ao cuidado precário que eles dedicam à sua saúde, como indicado pelo levantamento da SBOC, cria uma situação de risco onde o diagnóstico do tumor supostamente advindo do abuso de esteroides pode ser tardio, com a doença já avançada”, alerta a Dra. Cinthya Sternberg, Diretora da SBOC.



Comprometida com a promoção da saúde no Brasil, a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica recomenda que o uso de anabolizantes e hormônios seja condicionado à prescrição e acompanhamento de especialistas, como um endocrinologista ou ginecologista.



“Os efeitos dos esteroides anabolizantes para a dependência psicológica, problemas cardiovasculares, elevação do colesterol, aumento da pressão arterial, perda óssea e impotência sexual já são bem conhecidos e documentados. Com os resultados obtidos a partir de nossa análise mostrando também uma possível ligação com o câncer de fígado, a implementação de políticas públicas que alertem sobre os perigos do uso incorreto e sem supervisão de esteroides anabolizantes se torna ainda mais importante”, afirma Sternberg.



SOBRE A SBOC - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ONCOLOGIA CLÍNICA

A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) é a entidade nacional que representa mais de 1,5 mil especialistas em oncologia clínica distribuídos pelos 26 Estados brasileiros e o Distrito Federal. Fundada em 1981, a SBOC tem como objetivo fortalecer a prática médica da Oncologia Clínica no Brasil, de modo a contribuir afirmativamente para a saúde da população brasileira. Desde novembro de 2017, é presidida pelo médico oncologista Sergio D. Simon, eleito para o biênio 2017/2019. ...

Metade dos pacientes que tem diabetes desconhece a doença


Ações preventivas de mudanças de hábitos de vida podem sair muito mais barato do que o valor gasto em medicamentos. O alerta fez parte de atividade realizada pela Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), no Ciclo de Palestras que faz parte da campanha “Saúde Preventiva: Pratique essa Ideia!”. Esse mês, a programação foi referente do Junho Vermelho.

- Pacientes pré-diabéticos são pacientes que já estão tendo alguma alteração no seu organismo e serão diabéticos, muito provavelmente, se não fizerem alguma alteração no estilo de vida ou dieta. O diabetes tende a ser uma doença progressiva, especialmente, o tipo 2. Então, esse paciente vai precisar cada vez mais medicamentos e intervenções terapêuticas – explicou o médico endocrinologista, Rafael Selbach.

Os sintomas mais comuns observados em pacientes diabéticos são poliura (urina em excesso), polidipsia (excesso de sede) e perda de peso. Há também, pacientes que são assintomáticos e por isso é importante a realização de exames de sangue frequentes.

Ente as ações preventivas mais importantes estão adoção de uma dieta saudável, hábitos regulares de atividade física, cessar o tabagismo e, em casos indicados pelo médico, uso de medicamentos.

A atividade foi realizada na noite de quinta-feira (07/06) no Centro de Eventos AMRIGS. ...

SES esclarece sobre situação dos hospitais de pequeno porte no estado


Com o objetivo de esclarecer a população e evitar entendimentos que não correspondem à realidade dos fatos, a Secretaria da Saúde informa que os hospitais de pequeno porte devem ser classificados em duas situações distintas. O primeiro caso são dos estabelecimentos de saúde que não possuem Alvará Sanitário de Hospital, e sim, de Pronto Atendimentos de Urgência (Padus). Para esses, o Estado elaborou a política de cofinanciamento, para que possam manter suas atividades, conforme o seu Alvará Sanitário.

Essa adesão não é obrigatória, sendo voluntária ao prefeito municipal ou gestor do estabelecimento. Já na segunda situação, encontramos os estabelecimentos que não aderiram à política de cofinanciamento e necessitam fazer adequações para cumprir as exigências da Vigilância Sanitária e serem contratados como hospitais. Para facilitar a situação dessas unidades hospitalares, o Estado alterou o decreto estadual, retirando a necessidade de contar com bloco cirúrgico para ter o alvará e poder ser contratado como hospital.

A SES informa ainda que iniciou a avaliação dos estabelecimentos que desejam manter-se como hospital e estabeleceu o planejamento para adequá-los ao novo perfil assistencial, como por exemplo, hospitais de cuidados prolongados, leitos de retaguarda e de saúde mental.

O secretário da Saúde, Francisco Paz, relata que nas duas situações os hospitais são contemplados para continuar funcionando adequadamente. Destaca que todos os pequenos hospitais estão com seus pagamentos em dia, com a possibilidade de atualizar seus alvarás e realizar contratos de acordo com a legislação vigente. Dessa forma, ele esclarece que não há nenhum interesse do governo no fechamento de pequenos hospitais, como vem sendo divulgado em outras cidades.

"Queremos que esses hospitais pequenos tenham condições de produção para garantir sustentabilidade ao seu funcionamento, qualificando o atendimento e ampliando os recursos repassados pelo Estado", concluiu Paz. ...

Crises de sinusite são comuns durante o outono e o inverno: entenda como cuidar desse problema!


A sinusite é um problema de saúde que acomete diversas pessoas e que tende a aumentar durante o outono e o inverno. Isso acontece porque as variações de temperatura, poluição e ar seco despertam crises e maximizam os sintomas da doença, caracterizada pela inflamação dos seios da face.
Geralmente, crises de sinusite também estão associadas a um quadro de rinite, portanto, um nome bastante aceito é o da rinossinusite. As causas da doença são várias: fungos, vírus, bactérias e processos alérgicos.

Tratamentos

Existem diversos tipos de tratamentos para a sinusite. Segundo o nutrólogo e precursor da medicina bioortomolecular no Brasil, Dr J Bussade, que também é mentor científico da Bothanica Mineral®, o tratamento com antibióticos gera apenas uma melhora momentânea e os sintomas logo voltam. Por isso, ele indica outros tratamentos, apontando que o começo de tudo deve ser feito um detox do corpo. Para fazer uma destoxificação do corpo, ele aconselha fazer uma mistura de coentro, própolis, melão-de-São-Caetano, erva de São João e espinheira santa. A recomendação é tomar duas gotas desse composto três vezes ao dia, por um período de 2 meses. Ele também recomenda a realização de um detox intestinal, com a ingestão de coco e leite de magnésio.
Para o tratamento da sinusite, Dr J Bussade ainda orienta que o paciente faça uma inalação com óleo de girassol ozonizado. “Fazendo essa inalação 3 vezes por semana, a pessoa já vai começar a sentir diversas melhoras em seu corpo e nos sintomas da sinusite”, afirma.
Outra recomendação do nutrólogo é fazer uma mistura de água filtrada, água oxigenada 10% e solução aquosa de própolis bruto, inserindo algumas gotas no nariz. “Essa solução irá limpar todas as secreções presentes no rosto’, destaca o especialista.

Leite e glúten

Dr J Bussade alerta que o leite pode prejudicar ainda mais os sintomas da sinusite. “Se a pessoa gosta muito de leite, pode substituir por outros tipos mais saudáveis, como leite vegetal, de inhame, de castanha, de amêndoas, de quinoa e, até mesmo, de arroz. Esses tipos de leites são fáceis de fazer em casa e muito mais saudáveis”, aponta. Além disso, ele afirma que o glúten também pode trazer malefícios à saúde, por isso, recomenda que, se possível, também retire o glutén da alimentação.




...

Planejar as férias inclui atenção com as vacinas


Uma dúvida que atinge os pais na hora de planejar as férias é verificar se as vacinas das crianças estão em dia e quais devem ser tomadas de acordo com o destino desejado. De acordo com o pediatra e membro do Comitê de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Juarez Cunha, a única que tem como orientação geral a sua aplicação é a febre amarela, principalmente após a expansão nacional da sua dose como forma de prevenir um novo surto.

- Esta é a única vacina prevista na carteira internacional de vacinação, estabelecida pela Organização Mundial da Saúde. Após a decisão do Ministério da Saúde em ampliar a aplicação para todo o Brasil, ela também deve ser tomada antes que a família embarque. A sua dose está prevista a partir dos nove meses de idade – explica Cunha.

De um modo geral, além da febre amarela, cabe aos pais estarem atentos às condições locais de onde se pretende visitar. O pediatra cita como exemplo o surto de sarampo que ocorreu na Europa no início deste ano, exigindo atenção de quem pretende visitar o continente. Ainda de acordo com Juarez Cunha, é possível ter informações personalizadas pelo site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA): viajante.anvisa.gov.br/viajante.

Fonte: PlayPress ...

Novo balanço confirma 485 casos de toxoplasmose em Santa Maria


A Prefeitura de Santa Maria e o governo do Estado divulgaram, nesta sexta-feira (1º), novo boletim de investigação do surto de toxoplasmose no município. O documento, além de detalhar o número de casos, também apresenta dados preliminares referentes ao perfil epidemiológico da doença, com considerações a respeito da etnia e escolaridade dos pacientes com toxoplasmose, assim como informações referentes ao tratamento.

Até o momento, foram notificados à Vigilância em Saúde de Santa Maria 1.176 casos. Destes, 825 atendem à definição de suspeito e 351 ainda necessitam de classificação. Do total de casos suspeitos, 485 foram confirmados,185 foram descartados e 155 ainda permanecem em investigação. Dos confirmados, 41 são gestantes.

Com relação ao levantamento preliminar do perfil epidemiológico, os dados são baseados no estudo aprofundado de 79 casos. Assim, considerando este total, a maioria dos casos foi registrada em pessoas brancas (63 casos ao total), seguido de pessoas negras (oito ao todo).

Com relação à escolaridade, a maioria das pessoas com a doença (30,4% do total) tem Ensino Superior Completo. Já levando em conta os dados sobre atendimento médico, 72 pacientes procuraram atendimento médico devido aos sintomas. Dos 79 casos, apenas 19 necessitaram de internação hospital e um de internação em Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Ainda, do total de casos em investigação aprofundada, 43 pacientes foram atendidos por médico oftalmologista. ...

Câncer de pulmão é o mais comum e pode ser detectado por meio da Medicina Nuclear


O Dia Mundial sem Tabaco, celebrado todo 31 de maio, foi criado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para conscientizar a população contra esse mau hábito, responsável por 90% dos casos de câncer de boca e de pulmão, que é o tipo mais comum entre os tumores malignos e apresenta aumento de 2% ao ano em sua incidência mundial, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Considerada uma doença agressiva, o câncer de pulmão é frequente em pessoas com mais de 55 anos e ex-fumantes e exige diagnóstico precoce para garantir mais chance de cura e qualidade de vida. Entre os fatores de risco estão hereditariedade, hábitos alimentares, sobrepeso e obesidade, tabagismo, diabetes e envelhecimento.

Existem exames que permitem a identificação do tumor, como a biopsia. A Medicina Nuclear conta com exames que podem auxiliar de forma precisa a detecção da doença, antes mesmo de provocar alterações anatômicas. Estruturas com aspecto normal, mas acometidas pela doença, também podem ser identificadas durante o exame.

De acordo com o médico nuclear e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, George Barberio Coura Filho – responsável clínico da Dimen SP (www.dimen.com.br), a localização precisa das lesões, auxilia a escolha do melhor tratamento. "Quando se descobre o foco do câncer é possível tratar com métodos mais precisos, como cirurgia guiada e radioterapia. Sem esta localização exata, o tratamento poder ser apenas local, o que diminui sua eficácia e aumenta os efeitos colaterais, resultando em subtratamentos", explica o especialista.

Diagnóstico

PET/CT

O PET/CT é um exame altamente específico para detectar precocemente as concentrações cancerígenas no órgão, além de identificar possíveis metástases. O método reúne o já consagrado PET/CT (Tomografia por Emissão de Pósitrons e Tomografia Computadorizada) com traçadores (radiofármacos) que são captados pelas células cancerígenas. Com isso, o PET/CT consegue localizar os sítios de concentração do câncer, pela incidência do radiofármaco no organismo.

Exames

O equipamento também auxilia no tratamento da doença, monitorando a efetividade e o resultado de quimioterapia, radioterapia ou imunoterapia, por meio do gating respiratório, que permite visualizar o pulmão se movimentando paralelo ao tumor.

Cintilografia Pulmonar com 67Gálio

É um exame que avalia processos inflamatórios no pulmão. É realizado com a administração endovenosa de um material com baixa radioatividade chamado 67Gálio e exames de imagem após 72 horas da ação do medicamento no organismo.

Cintilografia Pulmonar (Inalação)

Neste exame, o paciente é submetido à inalação de oxigênio e de uma pequena quantidade de material radioativo. Após a inalação do radiofármaco, o paciente é encaminhado aos exames de imagem.

Cintilografia Pulmonar (Perfusão)

Neste exame, é realizada a administração endovenosa de um radiofármaco endovenoso para a geração de imagens e avaliação de possíveis tromboses pulmonares.

Pesquisa de Aspiração Pulmonar Salivograma/Deglutograma

É um exame que utiliza uma pequena quantidade de material radioativo (traçador) para avaliar se durante o ato de deglutição o paciente está aspirando saliva que pode causar pneumonias de repetição. Esse material radioativo não provoca reação, não é prejudicial à saúde e a exposição à radiação é mínima.

Sobre a DIMEN

A DIMEN – referência em medicina nuclear no país, com mais de 36 anos de atuação – possui doze unidades no interior de São Paulo e Minas Gerais. No Brasil, é pioneira no uso de cirurgia radioguiada e na tecnologia PET-CT. A nova unidade na capital paulista está localizada na Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 325, Vila Mariana. A DIMEN é a primeira clínica de Medicina Nuclear da América Latina a receber o certificado "QMentum International", do Conselho Canadense de Acreditação de Serviços de Saúde (Canadian Council on Health Services Accreditation - CCHSA), com critérios internacionais de performance em qualidade e segurança, concedido a todas as unidades no último ano.

...

Saúde formaliza contratos com hospitais psiquiátricos


Foi realizada na sexta-feira (25), solenidade referente à assinatura de contratos com novos valores de incentivo para os Hospitais Psiquiátricos do Rio Grande do Sul. Os dirigentes foram recebidos pelo secretário estadual da Saúde, Francisco Paz e pelo coordenador de Saúde Mental, Luiz Carlos Coronel. O secretário ressaltou a importância dos hospitais psiquiátricos para a Saúde Mental no Estado no atendimento aos pacientes, especialmente nas situações de maior gravidade. Estiveram presentes os dirigentes Lino Marcos Zanatta, do Hospital Vicença Maria da Fontoura, de Rio Grande, Elson Barbisan e Nelson Vicenzi, da Clínica Paulo Guedes, de Caxias do Sul, Gilberto da Silva e Carla Telles, do Hospital Espírita, de Porto Alegre, e Nelson Duarte Medeiros, do Hospital Espírita, de Pelotas.
Notícias


...




Edição n° 180 - Junho 2018

Selecionar Edição
  • Edição n° 180
  • Edição n° 179
  • Edição n° 178





  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821