Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 23 de Abril de 2018. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
18396120


Edicão n° 178 de Março 2018


SAúDE

Pediatras tranquilizam pais sobre o surto de toxoplasmose


O surto de toxoplasmose em Santa Maria (RS) deixou pais preocupados sobre uma possível proliferação da doença em todo estado. No entanto, de acordo com a infectologista associada da Sociedade de Pediatria do RS (SPRS), Maria Clara da Silva Valadão, não existe motivo para pânico.

- O principal problema da toxoplasmose é com a gestante, que pode transmitir para o seu bebê. Além disso, pessoas imunodeprimidas também podem correr algum perigo. Neste quadro, talvez crianças com menos de um ano devem ter um cuidado especial dos pais. Este público infantil geralmente não come comidas cruas ou verduras mal lavadas, então correm menos riscos de contrair a toxoplasmose. Ressalto que mães que estão amamentando não passam para os filhos através do leite materno – explica.

Crianças maiores que contraírem a doença terão sintomas semelhantes à gripe, mas sem perigo. Segundo a infectologista, na maioria dos casos, nem é necessário tratamento, pois a doença não permanece no corpo. Apenas crianças que apresentarem problemas na visão é que devem receber atendimento médico.

Outro destaque da pediatra é que a toxoplasmose não é transmitida entre as pessoas, apenas através de alimentos contaminados, ou do contato com fezes de gatos contaminados. Para manter a doença longe, é preciso lavar bem os alimentos e evitar comer carne crua.

Fonte: PlayPress ...

Psoríase e diabetes: há uma relação entre essas enfermidades?


Pacientes com psoríase têm duas vezes mais chances de desenvolver um conjunto de doenças relacionadas ao metabolismo, entre elas o diabetes. Isso acontece porque a psoríase não é apenas uma doença de pele, mas é considerada sistêmica, estando relacionada ao funcionamento dos sistemas metabólico e imunológico.

"O quadro de psoríase, uma condição não contagiosa, apresenta uma produção anormal de células na pele, com o surgimento de lesões avermelhadas e descamativas em formas de placas em diferentes partes do corpo, como rosto, membros, costas, couro cabeludo e unhas. Sem causas conhecidas, sabe-se que a doença está relacionada com uma possível disfunção que faz com que as células-T, as de defesa do organismo, ataquem as células da pele, que se multiplicam desordenadamente. É considerada uma manifestação de inflamação de todo o organismo", explica a Dra. Maria Inês Harris, consultora científica de EctoPURE.

A associação entre psoríase e diabetes, embora negada nos estudos publicados na década de 1960, vem sendo sistematicamente comprovada. Por exemplo, um estudo acompanhando mais de 116 mil enfermeiras, durante 15 anos, constatou que as mulheres com psoríase têm 63% mais chances de apresentar diabetes e 15% mais chances de apresentar hipertensão.

Outro trabalho, publicado na Archives of Dermatology comprovou a relação entre a síndrome metabólica e a psoríase. Um paciente tem síndrome metabólica quando apresenta pelo menos três dos seguintes fatores: pressão alta, alto percentual de gordura na região abdominal, níveis baixos de HDL (o chamado bom colesterol), altos níveis de triglicérides e altos níveis de glicose no sangue em jejum.

A adoção de hábitos saudáveis de vida, com alimentação balanceada e exercícios com devido acompanhamento médico, são indicados ao paciente com psoríase. A ele também é recomendado o uso de medicamentos para controlar os sintomas que tanto incomodam. O creme tópico sem corticoides disponível nas farmácias de manipulação, EctoPURE da Biobalance Natural Immune Support promove a manutenção do metabolismo e reestabelece a homeostase da pele. A fórmula é livre de corticoides, parabenos e fragrâncias.

Pesquisas clínicas conduzidas pela Derma Consult GmbH, da Alemanha demonstraram a eficácia de EctoPURE na redução do eritema da pele irritada e na melhora da barreira cutânea, formando uma barreira protetora contra inflamações, agressões, poluição, estresse, reações alérgicas e danos provocados pelos raios UVA, aumentando a hidratação e diminuindo a perda de água.

Em uma dessas pesquisas, após acompanharem 94 pacientes com psoríase por dois meses, que usavam exclusivamente EctoPURE para controlar a psoríase, os pesquisadores alemães constataram melhora de mais de 70% nos níveis de prurido, ressecamento, vermelhidão e descamação da pele. Ele alivia e acalma a pele, através da recuperação da barreira e do suporte ao processo regenerativo. Também alivia a sensação de prurido e eritema associados aos ressecamentos mais internos, reduz o ressecamento cutâneo, através do aumento do seu conteúdo hídrico, levando a uma maior suavidade da pele, atenua a vermelhidão e é adequado para uso na fase aguda da psoríase.

Sobre a Biobalance Natural Immune Support – A linha Biobalance visa promover saúde e bem-estar, através de produtos inovadores, naturais e de alta qualidade, que tenham por finalidade estimular as defesas naturais e o equilíbrio fisiológico do corpo humano. Suas linhas, encontradas exclusivamente nas farmácias de manipulação, abarcam OmegaPURE® e OmegaPURE DHA® que têm a maior concentração de ômega-3 na menor cápsula do mercado, e EctoPURE®, cremes calmantes de uso tópico que auxiliam na redução de processos inflamatórios da pele, sem o uso de corticoides. Para saber mais acesse o site, FB e Instagram. SAC: sac@biobalance-nutraceuticals.com ou 0800-771-8438.
...

Custos médico-hospitalares crescem no Brasil em linha ao padrão global


A variação de custos médico-hospitalares (VCMH) é o principal indicador usado mundialmente para aferição de custos em sistemas de saúde (públicos ou privados). Trabalho inédito do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) constata que a VCMH do Brasil tem seguido um padrão global de comportamento, similar ao encontrado inclusive nas economias mais desenvolvidas e estáveis. Por exemplo, a VCMH do Reino Unido é 4,2 vezes superior à inflação geral da economia local, segundo um dos critérios aplicado, enquanto a proporção brasileira, pelo mesmo parâmetro, é de 2,8 vezes. "Mesmo em países que apresentam inflação geral da economia bastante baixa, como aconteceu no Brasil em 2017, nota-se que a VCMH tem crescido em ritmo bastante acelerado, de dois dígitos", pondera destaca Luiz Augusto Carneiro, superintendente executivo do IESS.

O estudo inédito "Tendências da variação de custos médico-hospitalares: comparativo internacional" reúne e analisa os dados de três das principais consultorias que apuram o comportamento do VCMH no mundo (Aon Hewitt, Mercer e Willis Towers Watson), uma importante contribuição para a compreensão do tema pois, cada uma dessas consultorias, divulgam isoladamente suas informações e, por questões técnicas e comerciais, não comparam os resultados entre si. "O estudo é especialmente importante por traçar, pela primeira vez, um panorama geral e integrado da VCMH no mundo, ao invés da fotografia parcial capturada por cada um dos relatórios", afirma.

Para o levantamento, foram consideradas as VCMHs apuradas no ano de 2017 – dado mais recente disponível – de mais de 200 operadoras de planos de saúde (OPS) em diferentes países.

De acordo com os relatórios da AON, por exemplo, a VCMH da Holanda supera a inflação média em 5,1 vezes e, do México, em 3,4 vezes. No Brasil, a proporção foi de 2,8 vezes. Os números da Mercer também destacam o indicador 6,1 vezes superior à inflação geral da Dinamarca; e os da Towers apontam que na Grécia a VCMH é 8,3 vezes maior do que a inflação da economia. No geral, o Brasil aparece entre os 20 países com maior diferença entre VCMH e inflação geral. Veja o quadro comparativo completo:

Foram identificados no estudo os principais fatores causadores da elevação dos custos médico-hospitalares no mundo e quais as estratégias mais efetivas para combater o problema, assegurando a sustentabilidade econômico, financeira e assistencial do setor. Essencialmente, a principal causa para a expansão da VCMH na saúde está relacionada à incorporação de novas tecnologias e ao processo de envelhecimento populacional, que demanda mais cuidados e serviços em saúde.

"É importante observar que mesmo em países como Canadá, Austrália, Holanda e Reino Unido, com sistemas robustos de análise de custo e efetividade para a incorporação de novas tecnologias, esse é um fator de aumento da VCMH. No Brasil, a saúde suplementar não dispõe desses mesmos requisitos, diferentemente do SUS, que conta com a avaliação da Conitec. Essa é uma das situações que potencializa a alta da VCMH no Brasil", alerta Carneiro.

Ele acrescenta que falhas de mercado, especialmente a ausência de indicadores de qualidade para que se possa identificar os melhores prestadores de serviços e a justa precificação; a falta de transparência nas relações entre os agentes de mercado; e a incorporação de novos procedimentos, medicamentos e tratamentos sem critérios de custo-efetividade, potencializam a VCMH brasileira. Todo esse ambiente encontra amparo no modelo prevalente para pagamento de serviços prestados de saúde, o chamado fee-for-service, ou "conta aberta".

Por conta desses problemas, embora as estimativas de VCMH variem um pouco entre os relatórios, nos três casos a VCMH para planos empresariais médico-hospitalares do Brasil é de aproximadamente 17%, o que coloca o país entre os 10 países de maior VCMH do mundo.

"No caso do Brasil, ainda precisamos considerar o período de recessão econômica e aumento do desemprego que resultaram na queda do total de beneficiários, sem uma correspondente redução de custos assistenciais, a judicialização da saúde e os elevados custos de OPMEs, uma questão que esbarra em problemas como assimetria de informação e até mesmo fraudes", pondera Carneiro.

Os três relatórios estudados argumentam que o combate à prescrição excessiva de exames e procedimentos e o uso inapropriado de serviços médicos, com foco no combate ao desperdício, são elementos fundamentais para conter o avanço acelerado da VCMH.


Sobre o IESS
O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de promover e realizar estudos sobre saúde suplementar baseados em aspectos conceituais e técnicos que colaboram para a implementação de políticas e para a introdução de melhores práticas. O Instituto busca preparar o Brasil para enfrentar os desafios do financiamento à saúde, como também para aproveitar as imensas oportunidades e avanços no setor em benefício de todos que colaboram com a promoção da saúde e de todos os cidadãos. O IESS é uma referência nacional em estudos de saúde suplementar pela excelência técnica e independência, pela produção de estatísticas, propostas de políticas e a promoção de debates que levem à sustentabilidade da saúde suplemen


Fonte: Letra Certa Estratégia e Tática em Comunicação
...

Doenças cardiovasculares hereditárias também podem ser detectadas através de pesquisas genéticas


A pesquisa genética é uma das formas de descobrir casos hereditários de doenças cardiovasculares, fazendo com que o paciente consiga antecipar o tratamento para diversos problemas. O assunto será debatido durante o XXX Congresso Brasileiro de Genética Médica. A mesa-redonda que trata este tema acontece na quinta-feira (17/05), às 11h, com a participação dos médicos geneticistas Gustavo Guida Godinho da Fonseca, Vera Lúcia Gil da Silva Lopes, Debora Romeu Bertola e Martin Genga.

O XXX Congresso Brasileiro de Genética Médica é promovido pela Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM). Também acontecem de forma paralela o VII Congresso Brasileiro da Sociedade Brasileira de Triagem Neonatal e Erros Inatos do Metabolismo e o IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Genética e Genômica. Outras informações sobre o evento, a programação completa e o canal para inscrições podem ser encontrados no site cbgmcbteim2018.com.br. ...

Mito: expor acne ao sol não ajuda no tratamento e pode ser prejudicial


Na expectativa de tentar acelerar a cicatrização da acne, muita gente adota a prática de expor-se ao sol. Esse procedimento, segundo a dermatologista e secretária-geral da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS (SBD-RS), Ana Paula Dornelles Manzoni, não ajuda e pode até ser prejudicial, podendo levar a um risco maior de manchas e cicatrizes das espinhas.

- Algumas pessoas acham que, ao expor a acne ao sol, fará com que a espinha "seque", como se fosse um bom tratamento para o problema. Momentaneamente, essa ação até pode parecer que funciona, mas há tendência de um rebote e ele pode se manifestar através de uma acne ainda mais intensa. As manchas e cicatrizes residuais, normalmente, são mais difíceis de tratar do que a própria espinha. O conselho é que sempre sejam utilizados protetores solares adequados para pele acneica durante a exposição - explica Ana Paula Dornelles Manzoni.

Segundo a médica, o ideal é que seja realizado um tratamento para acne supervisionado por um dermatologista. Os produtos mais recomendados, nos casos de espinhas, são os em gel ou livres de óleos. Outra dica é realizar uma higienização com sabonetes adequados duas vezes ao dia.

Fonte: PlayPress ...

Pequenas indústrias da saúde contam com expertise do Sebrae RS


O mercado de produtos para Saúde no País é marcado pela complexidade, o conservadorismo, forte concorrência de importados e o domínio de grandes empresas. Para reduzir esse impacto e ajudar no desenvolvimento das pequenas indústrias da cadeia de valor desse segmento, o Sebrae RS inicia no dia 18 de abril o Projeto Conexão Saúde. O evento de abertura, exclusivo para as participantes do projeto, será realizado no Auditório da Imed, campus Porto Alegre (Rua Dona Laura, 1020), a partir das 9h.

O Projeto Conexão Saúde terá a participação de 20 micro e pequenas indústrias de base tradicional (máquinas, equipamentos, produtos, utensílios e artigos) e indústrias de serviços de tecnologia e inovação para a saúde que irão contar com o apoio do Sebrae RS nos próximos dois anos. De acordo com o gestor de projetos da entidade, Lucas Alves, a proposta é desenvolver e apoiar as pequenas indústrias da cadeia de valor da Saúde, promovendo a aproximação comercial e a geração de negócios junto ao seu mercado-alvo.

“Ao longo de 2018 e 2019 iremos criar redes de aprendizagem e promover parcerias estratégicas entre pequenas, grandes empresas e centros tecnológicos do segmento para auxiliar na criação de novos produtos, além de promovermos a conexão dos pequenos negócios com as oportunidades de mercado”, detalha o gestor. Entre as atividades previstas no projeto estão o aprimoramento da gestão comercial, treinamentos e consultorias estratégicas, participação em missões empresariais e visitas técnicas de aproximação junto a rede médico-hospitalar, além da participação na exposição na Feira Hospitalar e HospitalMed, entre outros.

Eduardo Marckmann, diretor e CEO da Toth Lifecare, integra as iniciativas do Sebrae RS junto ao segmento da saúde e relata que “o apoio do Sebrae no início da trajetória da empresa, ainda em 2008, foi fundamental. Alavancou nossos projetos e qualificou nossa atuação com consultorias e orientações que auxiliaram a operacionalizar nossos processos. A participação da Toth Lifecare no programa do Sebrae RS nos deu competividade e presença de mercado, conectando-nos a grandes players do setor e fomentando novos negócios”. A empresa está confirmada nesta edição do Conexão Saúde.

O projeto é uma parceria entre Sebrae RS; Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (ABIMO); Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA); Imed e Cluster de Tecnologias para a Saúde – RS. Mais informações pelos telefones (51) 3213-1566 ou (51) 9.9791-3111, ou ainda no e-mail lucasa@sebrae-rs.com.br.



Rodape Assessoria de Imprensa ...

Abeso lamenta cartilha de obesidade distribuída na rede municipal de ensino de São José dos Campos (SP)


"As cartilhas para estímulo da alimentação saudável distribuídas pela prefeitura de São José dos Campos explicita o preconceito common sense contra pessoas com obesidade e a superficialidade como o assunto é tratado", explica a endocrinologista Maria Edna de Melo, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

A Abeso alerta que pessoas com excesso de peso ou obesidade, regularmente são vítimas de preconceito na família, na escola, no trabalho, nos serviços de saúde, enfim, na sociedade. O preconceito tende a gerar estresse, ansiedade, isolamento social e, consequentemente, agrava a doença.

O preconceito ocorre com pessoas em todas as idades, mas é na infância e adolescência que o dano é maior, o que é ilustrado pelo fato de que crianças com obesidade possuem qualidade de vida pior que aquelas com câncer. Assim, é lamentável o fato extremamente agressivo ocorrido com as crianças das escolas municipais de São José dos Campos que receberam a cartilha mal elaborada.

A obesidade é uma doença extremamente complexa, de difícil prevenção e tratamento, que desencadeia muitas outras doenças, reduz a expectativa e a qualidade de vida das pessoas. Diante disso, é recomendável que ações individuais e públicas sejam baseadas estritamente em evidências científicas. Se isso não for possível, é recomendável evitar o achismo, devendo-se simplesmente RESPEITAR.

#ObesidadeEuTratoComRespeito

Para falar mais sobre obesidade, suas causas, tratamento e prevenção: sugiro a Dra. Maria Edna de Melo, endocrinologista e presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).


Fonte: Vanessa Mastro

Assessoria de Imprensa e Comunicação ...

Campanha de vacinação contra a gripe começa na próxima segunda-feira


A vacinação contra a gripe estará disponível em todos os postos de saúde do estado a partir da próxima segunda-feira (23). A imunização tem como público-alvo as pessoas que têm mais chances de desenvolver quadros graves de gripe Influenza: crianças, idosos, gestantes, portadores de doenças crônicas, além de grupos específicos por sua condições (como trabalhadores da saúde, professores, indígenas aldeados e pessoas privadas de liberdade). Ao todo, são mais de 3,6 milhões de pessoas a quem a dose se destina, com meta de alcançar ao menos 90% delas. A ação está prevista até o dia 1º de junho, sendo o sábado 12 de maio o Dia D da campanha, quando os postos de vacinação estarão extraordinariamente abertos em todo o estado.

Público alvo:

- Indivíduos com 60 anos ou mais de idade
- Crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos de idade
- Gestantes
- Puérperas (até 45 dias após o parto)
- Trabalhadores da saúde
- Povos indígenas
- Grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais
- Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas
- População privada de liberdade e funcionários do sistema prisional
- Professores das escolas públicas e privadas.

A vacina é segura e produzida por vírus mortos e fragmentados, ou seja, não há o risco de causar gripe nas pessoas. Ela protege contra três tipos de gripe Influenza - A (H1N1), A (H3N2) e B – e precisa ser renovada a cada ano, ou seja, mesmo quem se vacinou ano passado deve retornar às Unidades Básicas de Saúde para receber a nova vacina.

Situação epidemiológica da gripe no RS

Mesmo antes do início do inverno, o Rio Grande do Sul já apresentou alguns casos confirmados de hospitalizações por gripe Influenza. Até o último informativo epidemiológico (com dados até o último dia 9), já haviam sido registrados sete casos no RS. Desses, quatro foram do tipo A (H3N2), outros dois do tipo B e um do tipo A (H1N1). Não houve, até o momento, casos de morte por gripe.

Os registros estão abaixo dos registrados em 2017, quando no mesmo período já haviam sido confirmados 15 casos no total e uma morte. O ano passado fechou com 440 casos de Influenza, conforme descrição abaixo:

Influenza A (H1N1): 1 casos / zero morte
Influenza A (H3N2): 301 casos / 30 mortes
Influenza A (não subtipado): 31 casos / 3 mortes
Influenza B: 106 casos / 15 mortes

Portadores de morbidades

Devem receber a vacina pessoas com doenças respiratórias, cardíacas, com imunodeficiência, entre outras que tenham recomendação médica para isso. A vacinação desse grupo deve ser aplicada em todos os postos de vacinação. No entanto, mantém-se a necessidade de prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina, que deve ser apresentada no ato da imunização. Pacientes já vinculados a programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) devem se dirigir aos postos em que estão cadastrados para receberem a dose. Em caso de não haver posto de vacinação no local onde o paciente é atendido regularmente, deve-se buscar a prescrição médica na próxima consulta que estiver agendada. Pacientes atendidos na rede privada ou conveniada também devem buscar a prescrição médica com antecedência e apresentá-la nos postos de vacinação.

Prevenção e tratamento

Ao lado da vacinação, o tratamento e a prevenção são os eixos que compõem o tripé do enfrentamento à Influenza. A chamada etiqueta da gripe é uma medida simples, porém importante, para evitar a disseminação da doença. Entre os cuidados que se destacam, está a proteção da boca e nariz ao tossir e espirrar, cobrindo-os preferencialmente com a dobra do cotovelo, evitando o uso das mãos. Também ressalta-se a importância de lavar as mãos com frequência, com água e sabão ou utilizando álcool em gel, assim como evitar locais com aglomeração de pessoas (escola, transporte público, centros comerciais, entre outros) se estiver com os sintomas.

Para o tratamento em tempo oportuno, a recomendação é de que ao sinal de febre, dor de garganta e dor de cabeça, nas articulações ou muscular, a pessoa procure atendimento médico. O antiviral Oseltamivir, de nome comercial Tamiflu, está disponível em todo o estado gratuitamente, e o seu uso no início dos primeiros sintomas da gripe é fundamental para impedir o agravamento dos casos. ...

Outono traz aumento dos problemas respiratórios em crianças


O começo do outono traz os primeiros dias frios do ano e, junto com a queda na temperatura, chegam as temidas doenças respiratórias. O pneumologista pediátrico da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Paulo Márcio Condessa Pitrez, explica que os vírus respiratórios começam a circular nesta época do ano e é bem provável que a grande maioria das crianças tenham alguns sintomas podendo ser moderados ou mais graves.

- É comum que as crianças peguem um resfriado ou uma gripe nesta época do ano. As campanhas de vacinação ainda não iniciaram e o estado é um dos primeiros a sentir os efeitos do outono. As crianças circulam em ambientes propícios, como escolinhas e creches. Nestes locais, é difícil controlar a entrada do vírus, pois os pequenos usam os mesmos utensílios e brincam em conjunto. Não tem muito o que fazer, apenas cuidar para que, em casa, não tenha contato com pessoas doentes, como avós e tios – salienta.

O pneumologista alerta para que todas as crianças sejam vacinadas quando iniciar a campanha de imunização. Assim, evita-se que a gripe seja tão severa e ajuda a ajuda a não propagar a gripe entre o público infantil.

- É importante diferenciar. O resfriado é mais leve, com sintomas como tosse e resfriado. Já a gripe traz dor intensa no corpo, calafrios pelo corpo, febre e risco de pneumonia. Nos casos em que a criança tiver sintomas de gripe, o ideal é que os pais levem em um pediatra. A emergência pode ser usada em casos em que o filho não consegue respirar, por exemplo, ou quando a febre não passar mesmo após tomar um antitérmico – destaca.

Outros sintomas da gripe, segundo o pediatra, são a irritabilidade do bebê, criança que não para de chorar e prostração. Além disso, uma medida aconselhada é evitar levar o filho para a escolinha ou para creche quando estiver doente.

Fonte: PlayPress ...

Dia Mundial da Saúde: SBPC/ML alerta que exames laboratoriais podem reduzir custos do sistema de saúde


Em decorrência do Dia Mundial da Saúde, comemorado em 7 de abril, a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) alerta sobre o uso consciente dos testes diagnósticos.

Estudos recentes revelam que, ao longo de 10 anos, os gastos anuais com exames laboratoriais representam somente 1,4% na Alemanha, 1,6% na Itália e 2,3% nos Estados Unidos. Segundo Alex Galoro, patologista clínico e ex-presidente da SBPC/ML isso significa que "os exames laboratoriais não representam o principal problema do sistema de saúde e comprova que o foco da realização de exames, deve ser principalmente na prevenção e diagnóstico precoce de doenças, que pode culminar na redução de custos do sistema".

O câncer, por exemplo, é uma patologia que apresenta valores altos para tratamento. Por isso, através de conceitos de epidemiologia (ciência que estuda os fatores determinantes e os padrões da ocorrência de doenças em populações humanas) define-se em que faixa etária o custo para realização de exames de marcadores tumorais é expressivamente menor do que o custo para o tratamento dos casos diagnosticados. Segundo o patologista clínico, "pensando-se no aspecto populacional, epidemiológico e da gestão dos sistemas de saúde, justifica-se tal decisão, porém a mesma parece injusta quando se pensa no aspecto individual, no paciente que é uma 'exceção à regra' e poderia ter sua doença prevenida, diagnosticada e tratada precocemente".

Os exames complementares podem e devem ser utilizados, considerando a sua capacidade de trazer ao médico solicitante as respostas às suas hipóteses e o custo deste procedimento. "Este deve ser o norte da comunidade médica, na hora de solicitar exames aos pacientes, promovendo o equilíbrio entre a gestão dos recursos disponíveis e obtenção do melhor resultado possível para a prevenção, diagnóstico e monitoramento de doenças na população atendida", afirma Galoro.

Sobre a SBPC/ML

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) é uma Sociedade de Especialidade Médica, fundada em 1944 e que atua na área de laboratórios clínicos. Com sede na cidade do Rio de Janeiro, tem como finalidade reunir médicos com Título de Especialista em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial e de outras especialidades como farmacêutico-bioquímicos, biomédicos, biólogos e outros profissionais de laboratórios clínicos, além de empresas do setor.

A SBPC/ML disponibiliza o PALC – Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos que avalia um laboratório através de auditorias e determina se ele atende a requisitos predeterminados para exercer as tarefas a que se propõe. Dentre vários objetivos esse processo pretende garantir a qualidade dos serviços prestados e a confiabilidade dos resultados.

A SBPC/ML dispõe de projetos de habilitação e qualificação profissional de acordo com a legislação em vigor, através de atividades voltadas para ensino, pesquisa e divulgação científica em Medicina Laboratorial, tendo como meta principal a saúde da população. Para alcançar esses objetivos a SBPC/ML realiza cursos, jornadas, congressos, eventos relacionados e publicações científicas.

Fonte: ADVICE Comunicação Corporativa

...

Hemorrede promove capacitação em hemoterapia para médicos


A Hemorrede Pública Estadual, da Secretaria da Saúde (SES), promove, a partir de junho, a capacitação em Hemoterapia para Responsáveis Técnicos das Agências Transfusionais. A atividade é voltada a médicos não especialistas que atuam nos bancos de sangue como responsáveis técnicos. O projeto é uma parceria do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers) e do Serviço Hemoterápico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

A capacitação será composta por aulas presenciais, na sede do Cremers, em Porto Alegre, aulas a distância (disponibilizadas no site da SES) e um módulo prático, com estágio em hemoterapia. O objetivo é qualificar e capacitar profissionais médicos não especialistas para atuarem como responsáveis técnicos, desenvolvendo conhecimento teórico e prático relacionado às atividades inerentes à atuação nas agências transfusionais.

Nesta primeira edição estão disponíveis 100 vagas. As inscrições ocorrem entre os dias 15 de abril e 15 de maio na internet. Mais informações pelo telefone (51) 3336-6755, ramais 205 ou 224. ...

Deficiências na estrutura do serviço público de saúde contribuem para a judicialização da saúde


A Caravana AMRIGS retornou a Venâncio Aires na quarta-feira (04/04), para apresentar a palestra “Assédio moral nas perspectivas ética, cível, criminal e trabalhista, na atividade médica”. O evento ocorreu no auditório da Unimed, reunindo profissionais da saúde do município.

- Muitas vezes, o médico está praticando o ato clínico, mas a pessoa pode se sentir assediada de alguma forma. O profissional entende qual é a sua função, mas há situações em que há má interpretação do paciente e a culpa é do sistema sobrecarregado, visto que o estado não dá condições para um funcionamento qualificado dos serviços de saúde pelo SUS – explicou o assessor jurídico da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), Luiz Gustavo Andrade Madeira, responsável pela explanação sobre o contexto cível.

Também palestraram a advogada trabalhista, especialista em Direito Médico, Suelen Reck França, e o advogado e mestre em Ciências Criminais, Vitor Antônio Guazzeli Peruchin.

Ainda de acordo com Madeira, geralmente, 90% a 95% das ações que acabam em juízo são consideradas improcedentes, pois os pacientes ingressam com o processo baseado em informações equivocadas. Para o advogado, esta é a importância de promover palestras para esclarecer sobre o assunto.

Esta é a segunda vez que a Caravana AMRIGS passa por Venâncio Aires em 2018. No mês passado, a cidade recebeu a palestra sobre cuidados paliativos, acompanhada por uma apresentação do Grupo Vocal. Para maio está prevista mais uma edição do evento sobre inflamação do abdômen.

Fonte: Play Press ...

Mitos e verdades da infecção urinária


Ir à praia ou à piscina e ficar longos períodos com a roupa de banho molhada não aumenta as chances de desenvolver infecção urinária. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, não há ligação entre este hábito e a doença, como afirma o urologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Fernando Almeida.

O problema, no entanto, está diretamente relacionado à baixa imunidade. Esse fator favorece a ação da bactéria, que entra pelo canal da uretra e chega até a bexiga. Segundo o médico, a infecção é mais comum entre mulheres de 20 a 50 anos.

Sem prevenção direta, é possível diminuir os riscos de ter a doença mantendo a saúde em dia. "Quem está saudável e com a acidez normal da vagina fica menos suscetível a desenvolver a infecção", reforça.

Entre os cuidados essenciais da saúde está a ingestão de água, principalmente neste período de altas temperaturas. Adotando esta prática, de acordo com Almeida, aumentam as chances de expelir a bactéria pela urina.

O controle da hidratação do organismo pode ser feito a partir da observação da cor do líquido eliminado. "A urina deve estar clara, não necessariamente transparente. Caso esteja escura, é sinal que está sendo ingerida pouca água, e, portanto, dificultando a saída da bactéria", explica o urologista.

Alguns sintomas evidentes ajudam na detecção do problema. "Dor, ardência, aumento da frequência de idas ao banheiro e sangue são sinais de uma possível infecção urinária", finaliza Almeida.


...

Congresso debate tratamentos para doenças hepáticas hereditárias


Realizado pela Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM), o XXX Congresso Brasileiro de Genética Médica promove debates e atualizações sobre tratamentos para doenças hereditárias. Com foco em médicos geneticistas e estudantes de medicina com interesse nesta especialização, a qualificação acontece no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro (RJ). Uma das mesas redondas aborda tratamentos das gliconeses hepáticas, que são doenças secundárias a um erro no metabolismo, hereditário, o qual resulta de concentrações alteradas de glicogênio no organismo.

A mesa redonda conta com palestras das médicas Márcia Ribeiro, Carolina Fischinger Moura de Souza, Tatiele Nalin e Karina Colonetti. Este debate ocorre na quarta-feira (16/05).

O XXX Congresso Brasileiro de Genética Médica é promovido pela Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM). Também acontecem de forma paralela o VII Congresso Brasileiro da Sociedade Brasileira de Triagem Neonatal e Erros Inatos do Metabolismo e o IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Genética e Genômica. Outras informações sobre o evento, a programação completa e o canal para inscrições podem ser encontrados no site cbgmcbteim2018.com.br.

Fonte: PlayPress ...

Telomerase: exame releva a idade do nosso corpo


Última pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE), em 2016, aponta que a expectativa de vida do brasileiro aumentou em mais de 30 anos desde 1940 – hoje vivemos, em média, até os 75,8 anos.

Este cenário mostra que, cada vez mais, a preocupação com o bem-estar e a saúde se torna primordial na busca de um envelhecimento saudável. Como estaremos daqui 10, 20 ou 30 anos, ninguém sabe, mas assim como devemos poupar dinheiro, para ter um futuro tranquilo, também temos que cuidar da saúde desde já, para chegarmos bem lá na frente.

Realizado em clinicas de países da Europa e nos Estados Unidos, o exame da telomerase é usado para identificar e auxiliar na prevenção em doenças do envelhecimento, como artrite reumatoide, problemas cardiovasculares e resistência insulínica (pré-diabetes), que é o desequilíbrio entre a quantidade de insulina no organismo, podendo causar doenças como a diabetes.

O diagnóstico é feito a partir de um simples exame de sangue capaz de avaliar a diminuição dos telômeros, que são sequências repetidas de DNA localizadas nas extremidades de todos os cromossomos humanos, e que têm a função de impedir o desgaste do material genético.

Se o processo de encurtamento dos telômeros estiver mais rápido do que o normal – o que está diretamente ligado aos hábitos de vida de cada um – o envelhecimento do indivíduo poderá ser mais rápido e as chances de aparecimento de doenças aumentam.

Por isso, Julia Gouvea, médica do esporte e especialista em envelhecimento saudável, lembra que todos nós vamos envelhecer, mas para que não seja um processo doloroso e desconfortável, a preocupação com o estilo de vida deve começar bem cedo.

"Quem acha que ainda é bastante jovem para começar a pensar no futuro, pode estar cometendo um grande engano. A partir dos 30 anos, as chances de problemas cardiovasculares e hormonais, por exemplo, começam a aumentar. Por isso, fazer exames com regularidade, além de pequenos hábitos de alimentação e práticas de exercícios físicos são fundamentais para ter uma vida tranquila durante o envelhecimento", afirma.

A clínica Cenegenics, rede médica com sede nos Estados Unidos e líder no desenvolvimento de métodos customizados e inovadores para quem busca o envelhecimento saudável, irá disponibilizar o exame partir de maio. O procedimento pode ser realizado em pacientes a partir dos 30 anos e custa, em média, R$2 mil.

Frequentada por celebridades e renomados empresários de todo o mundo, a rede médica terá sua primeira unidade no Brasil a partir de abril.


Fonte: economídia ...

Anticorpo para prevenção da bronquiolite começa a ser distribuído


Com o intuito de reduzir as consequências da bronquiolite, tanto para o bem-estar das crianças quanto para diminuir o volume de atendimentos em emergências, começou em março a distribuição do Palivizumabe, um anticorpo monoclonal que previne as formas graves das doenças causadas pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR). A novidade neste ano é que além do Sistema Único de Saúde (SUS), a oferta também deve ocorrer de forma gratuita nos convênios.

- A bronquiolite é uma infecção que afeta, principalmente, crianças pequenas, levando à internação e até a morte. Neste âmbito, algumas crianças apresentam maior risco de contrair a doença em comparação com as demais, como os prematuros, que passam um grande período internados e quando saem podem ser afetados, precisando retornar ao hospital. Imaginamos uma melhora nestas situações – explica o pediatra e membro do Comitê de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Juarez Cunha.

São contempladas nesta distribuição: bebês menores de um ano de idade que nasceram prematuras com idade gestacional igual ou menor que 28 semanas e crianças menores de dois anos de idade com doença pulmonar crônica da prematuridade demonstrada e com cardiopatia congênita com repercussão hemodinâmica comprovada. Entre março e agosto, devem ser aplicadas mensalmente uma dose de Palivizumabe. O local para receber o medicamento varia conforme a região de residência.

Fonte: PlayPress ...

Perspectivas imediatas no diagnóstico e tratamento de doenças neurogenéticas


Médicos geneticistas e neurologistas se reuniram, pela primeira vez, para debater questões inerentes às duas áreas como aspectos clínicos, diagnóstico e tratamento. Entre os 700 participantes do I Congresso Brasileiro de Neurogenética, estavam os associados da Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM), Maria Teresa Vieira Sanseverino e Jonas Alex Morales Saute. O evento foi promovido pelo Departamento Científico de Neurogenética da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), em São Paulo, entre os dias 23 e 24 de Março.

- Observamos um grande avanço no diagnóstico de doenças genéticas, principalmente as que apresentam manifestações neurológicas, cerca de 80% delas. As discussões propostas pelo congresso abrem perspectivas imediatas para o diagnóstico no pré natal através da prevenção e, também, na busca pelo tratamento mais recomendado – destaca Maria Teresa.

Saute destacou a qualidade da programação científica, cujas explanações abordaram doenças neuromusculares de causa genética, deficiência intelectual, erros inatos do metabolismo. Além disso, foram realizadas três conferências internacionais, sessões de pôster, trabalhos orais e, uma banca final com apresentação de casos clínicos.

O congresso, de acordo com os associados da SBGM, é fruto de um encontro realizado ano passado. Ambos acreditam que pela repercussão desta primeira edição, o evento deve se repetir.


Fonte: PlayPress ...

Ministro Luis Felipe Salomão fala sobre Judicialização da Saúde e o panorama da jurisprudência do STJ


O ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Luis Felipe Salomão, abrirá a nona edição do Seminário UNIDAS, que este ano tem como tema Bem-estar, Qualidade e Acesso à Saúde: o papel das autogestões frente às complexidades do mercado. Com a palestra Judicialização da Saúde – Panorama da Jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, Salomão vai falar de decisões relevantes no STJ envolvendo operadoras de saúde.

Entre elas, temas que normalmente são alvo de judicialização, como pedidos de medicamentos ou tratamentos não aprovados pela ANVISA, demanda de responsabilização do plano de saúde por erro médico, questionamentos de reajuste por faixa etária ou carência, entre outros.

Quando falamos da insustentabilidade do setor de saúde suplementar, a judicialização é tema recorrente. Além dos altos custos, o volume de ações alerta para problemas no atual funcionamento do sistema de saúde, seja público ou privado. Tanto que há diversas iniciativas no próprio judiciário para tentar solucionar a questão. A criação do NAT-Jus, pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) por exemplo, pretende criar um banco de dados para consulta de notas técnicas, para ajudar a embasar as decisões. Além disso, há diversas iniciativas pelos Estados.

Esta é a primeira vez que o ministro Salomão participa do Seminário UNIDAS, um dos principais eventos do segmento de autogestão e da saúde suplementar. Salomão é graduado em Direito pela UFRJ e pós-graduado em Direito Comercial. Foi Promotor de Justiça do Estado do São Paulo; Juiz e Desembargador do TJRJ; Presidente e integrante de inúmeras bancas de concursos para provimento de cargos no âmbito do Ministério Público e Judiciário e Presidente da comissão de juristas constituída pelo Senado Federal para elaborar anteprojeto de lei de arbitragem e mediação.

Ele também foi professor honoris causa da Escola Superior da Advocacia (RJ); professor Emérito da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro e da Escola Paulista da Magistratura; membro do Conselho Superior da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados no biênio 2018/2020, membro da Cortes Especial do STJ; ministro substituto do TSE de outubro de 2017 a outubro de 2019 e é ministro do STJ desde junho de 2008.

Sobre o Seminário

O evento trará temas atuais e de interesse da saúde suplementar como impactos gerados por fatores de diversas naturezas, judicialização da saúde, sinistralidade e redução de custos, além de cases de filiadas UNIDAS. Entre os palestrantes, o Ministro do STJ, Luis Felipe Salomão (Judicialização da Saúde - Panorama da Jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça); a gerente assistencial da ANS, Katia Cursi (Diretriz de combate a Obesidade); a ex-ginasta da Seleção Brasileira, Laís Souza (Código de Superação); Amândio Soares Fernandes Júnior, da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Tendências da cancerologia e seus impactos na saúde suplementar); Ricardo Lachac, diretor-executivo da LexisNexis no Brasil (Diminuição de sinistralidade através da redução de fraudes, desperdícios e abusos); Carlos Motta e Paulo Paim, da Cruz Vermelha, (Melhoria da qualidade assistencial com redução de custos). ...

Executivos da CNI e Sesi falam sobre sustentabilidade do sistema de Saúde e responsabilidade dos envolvidos no 9º Seminário UNIDAS


O gerente-executivo de Saúde e Segurança na Indústria do Sesi, Emmanuel de Souza Lacerda, e o gerente-executivo de Relacionamento com o Executivo da CNI, Pablo Silva Cesário, trazem para o 9º Seminário UNIDAS – Bem-estar, Qualidade e Acesso à Saúde: o papel das autogestões frente às complexidades do mercado, a palestra "Como minimizar o impacto e o custo da saúde nas empresas". Segundo Lacerda, diante dos custos crescentes da saúde suplementar – três vezes mais do que a inflação - é papel de todos os atores do sistema atuarem sinergicamente para buscar a sustentabilidade da saúde suplementar no país. "A hora é de construir pontes entre todos os envolvidos. A sustentabilidade do sistema é importante para todos".

O executivo ressalta que pelo seu peso no financiamento do sistema, os contratantes são protagonistas importantes na melhoria do sistema de saúde privado. "Eles têm grande potencial coletivo para induzir o mercado na direção de um sistema de saúde baseado em valor, com mais qualidade, mais foco em resultados e mais custo efetivo. Também tem uma condição privilegiada para fazer a gestão da saúde populacional, uma vez que possui relacionamento direto com os seus assegurados". Entretanto, Larceda lembra que o sistema de saúde suplementar precisa oferecer maior transparência e acesso aos dados e informações sobre a operação em toda a sua cadeia de valor.

O ideal, segundo o gerente do Sesi, é mudar o sistema atual fee-for-service, por um baseado em valor. "O aperfeiçoamento da regulação na Saúde Suplementar, com estruturação do processo de incorporação e gestão de tecnologias da saúde do Rol e a disponibilização de dados aos usuários e contratantes para a gestão da saúde populacional pelos empregadores são propostas iniciais voltadas à construção de sistema de saúde baseado em valor, que promova melhoria na qualidade do cuidado aos usuários com otimização da relação custo-efetividade".

Ele lembra, contudo, que os desafios são enormes. Levando em consideração que o sistema convive com um ambiente de má utilização por parte do beneficiário, desperdícios e denúncias de fraudes, o que impacta diretamente no aumento dos custos acima da inflação. "Todos os esforços devem ser feitos para que os atores do sistema, tanto da cadeia produtiva, quanto dos contratantes e beneficiários, estejam focados na sustentabilidade do setor. Para isso, é preciso superar a fragmentação e a desconfiança entre os atores", reforça.

Segundo ele, outros países que também sofrem com a pressão dos custos com saúde, já estão alterando os seus modelos para uma abordagem baseada em valor que combine qualidade da atenção, foco no beneficiário, e melhor controle de custos de atendimento. "O caminho que estamos enxergando está vinculado ao maior envolvimento dos contratantes/empregadores na busca de auto regulação do setor via mercado, produzindo conhecimento, estabelecendo critérios de qualidade, protocolos de atendimento que possam guiar sua atuação e a atuação dos beneficiários no uso racional e de qualidade do sistema". ...

Pediatra esclarece cuidados que os pais devem ter com os alimentos tradicionais de Páscoa


A Páscoa se aproxima e os pais já começam a pensar em como será a alimentação dos filhos com os produtos mais consumidos neste período: peixes e chocolates. Para tirar as dúvidas, o gastroenterologista da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), José Vicente Noronha Spolidoro esclarece quais são os principais cuidados para evitar intoxicações alimentares.

Segundo o médico, não existem perigos para que os pequenos consumam peixes. Ao contrário, é recomendado que eles comam peixe uma ou duas vezes na semana.

- Muitos pais ficam receosos em oferecer peixe para os filhos. Entretanto, não existe nenhuma contraindicação. É um alimento saudável e deve ser ingerido pelas crianças uma ou duas vezes por semana. Inclusive, os pais precisam incluir os peixes de carne branca durante a introdução alimentar, aos seis meses de idade – explica.

O pediatra alerta que deve ser retirada a espinha dos peixes no momento do preparo, para evitar acidentes e engasgos nas crianças. Além disso, oferecer o alimento desfiado. Outra dúvida nos dias que antecedem a Páscoa é sobre os chocolates. Spolidoro ressalta que não é um alimento saudável, mas que não há um grande problema em oferecer para os pequenos, desde que exista bom senso nas quantidades.

- O chocolate não é um produto muito alergênico e não está associado com alergias importantes. O grande problema é que o cacau é misturado com muito açúcar. Os pais devem controlar as quantidades consumidas pelas crianças, pois pode causar intoxicação alimentar em excesso. Uma das dicas é oferecer aqueles produtos que contenham mais cacau que açúcar – avalia.

Para as crianças menores de um ano, o gastroenterologista alerta que não deve ser oferecido chocolate.

Fonte: PlayPress ... ...

Rede de farmácia de manipulação deseja expandir pelas regiões Sul e Sudeste


Com mais de 70 operações abertas pelo país, principalmente na região nordeste, A Fórmula Farmácia pretende expandir por toda região sul e sudeste do país este ano. Cidades dos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e Espírito Santo estão na mira da rede, que abrirá sua primeira franquia no Rio de Janeiro ainda neste semestre. Para 2018, a meta é chegar aos 90 pontos e faturar R$ 100 milhões.

"Somos muito fortes no norte e no nordeste do país e referência no segmento magistral. Queremos trazer toda a qualidade e nosso conceito TOP (tradição, originalidade e pioneirismo) para a região sul e sudeste", diz Bruno Costa, gestor de expansão de A Fórmula.

A Fórmula Farmácia está inserida no segmento de Saúde, Beleza e Bem-Estar, que teve o melhor desempenho no setor de franchising em 2017, de acordo com pesquisa realizada pela ABF (Associação Brasileira de Franchising). O segmento cresceu 12,10% em relação ao levantamento divulgado em 2016.

De acordo com Costa, A Fórmula oferece toda a estrutura profissional, ferramentas de gestão, suporte operacional, técnico, regulatório em todas as áreas para que os interessados consigam operar bem o negócio. "A rede é muito reconhecida pelo pioneirismo e geração de conteúdo técnico ao público prescritor, através de revistas técnicas e apps. Outro diferencial é o nosso processo 100% sustentável, seja por embalagens 100% recicláveis ou por nossa campanha de descarte de medicamentos promovidos nas unidades da rede".

O valor de investimento na farmácia de manipulação é de a partir de R$ 300 mil. A rede também dá a opção de que farmácias comuns de manipulação convertam sua bandeira para A Fórmula, concedendo benefícios extras para essas operações. "É uma ótima opção de negócio para quem se identifica com os setores de saúde, beleza e bem-estar. Transferimos todo o know-how adquirido nos 30 anos de existência da marca e damos todo o suporte necessário para o sucesso de seu negócio", finaliza Costa.

A Fórmula Farmácia oferece modernos laboratórios e mais de mil substâncias disponíveis para prescrição, que são capazes de produzir medicamentos, dermocosméticos e uma linha própria de chás, sucos funcionais, suplementos e nutracêuticos. Todos feitos com o mais rigoroso processo de qualidade.

RAIO X

Investimento total: De R$ 300.000 a R$ 450.000

Taxa de franquia: R$ 45.000

Prazo de retorno do investimento: 24 meses

Faturamento médio mensal: R$ 150.000 (Capitais) e R$ 110.000 (Interior)

Lucro mensal: 20 a 25% (enquadramento Simples Federal)

Capital de giro: R$ 50.000 a R$ 70.000

Taxa de royalties: 05% s/ Faturamento com desconto progressivo de acordo com a faixa de faturamento, podendo chegar à 03%

Taxa de publicidade: 01% s/ Faturamento ...




Edição n° 178 - Março 2018

Selecionar Edição
  • Edição n° 178
  • Edição n° 177
  • Edição n° 176













  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821