Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 23 de Outubro de 2017. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
6566712


Edicão n° 172 de Outubro 2017


SAúDE

Rejuvenescimento facial integra evento de dermatologia na capital gaúcha


Irregularidades na pele ao longo dos anos são comuns no processo de envelhecimento. A
evolução da medicina, no entanto, colabora e muito para que esses efeitos sejam
amenizados ou corrigidos. O tema integra os debates que ocorrem na Jornada Gaúcha de
Dermatologia, no Hotel Sheraton, em Porto Alegre. O evento é promovido pela Sociedade
Brasileira de Dermatologia – Secção RS.

Rugas, alterações de pigmentação como sardas e manchas solares ou vasos sanguíneos
visíveis são alguns sintomas comuns. Somado a isso, a pele tende a ficar menos firme ao
longo dos anos. As técnicas mais conhecidas, hoje, para atenuar esses sinais são
rejuvenescimento cutâneo com laser, injeções de preenchimento e o uso de antioxidantes.
Porém é fundamental que a população sempre busque um profissional capacitado para a
realização e orientação em qualquer um dos procedimentos, pela complexidade e risco que
impõem.

Intitulado “Rejuvenescimento facial: qual o seu procedimento de escolha?” o debate terá a
participação dos médicos Moyses Lemos (SP), Abdo Salomão Jr.(MG), Célia Kalil (RS) e
Carla Presti (SP). O debate será coordenado pela diretora da SBD-RS, Analupe Weber e
inicia às 11h de sábado (21/10).

Outras informações sobre o evento podem ser obtidas no site sbdrs.org.br/eventos. ...

AMRIGS promove curso de extensão em auditoria da saúde


A auditoria como ferramenta de gestão e a gestão como processo de tomada de decisão
em serviços de saúde foram os temas que deram início ao Curso de Extensão em
Auditoria, Gestão e Acreditação em Saúde, promovido pela Associação Médica do Rio
Grande do Sul (AMRIGS). A qualificação segue até dezembro.

O primeiro módulo foi apresentado no sábado (30/09) pelo cirurgião geral, médico
auditor e consultor em auditoria para empresas, Eduardo Dias Lopes. Foram abordadas
a visão histórica e de mercado de atuação do auditor em saúde e a definição de
atividades multiprofissionais evidenciando as diferentes práticas desenvolvidas de forma
específica.

- O auditor busca a otimização do uso dos recursos assistenciais, através do
acompanhamento das ações de saúde e da revisão dos processos de cobrança. Os
princípios básicos são o controle da utilização de recursos, conferência de documentos,
verificação de registros e acompanhamento das atividades assistenciais – explicou
Lopes.

A formação prevê mais quatro módulos: legislação em saúde (21/10), auditoria no SUS
(28/10), cenários e novos modelos de gestão (11/11), negociação em auditoria (25/11)
e um seminário final (02/12). As aulas iniciam às 8h30min, no Centro de Eventos
AMRIGS, sempre aos sábados. Informações e inscrições podem ser feitas pelo telefone
(51) 3014-2039 ou pelo e-mail capacitacao@amrigs.org.br.

Fonte: PlayPress ...

Estudo alerta para aumento nos casos de DSTs entre os idosos


Ser idoso já não significa falta de atividade, calmaria e tranquilidade. Atualmente a
classe está cada vez mais ativa. Eles dançam, brincam, praticam esporte e, claro,
mantém os prazeres da relação sexual ativos. Por isso as preocupações com as doenças
sexuais transmissíveis precisam ser aumentadas.

Estudos demonstram que os idosos estão mais vulneráveis a infecções sexualmente
transmissíveis e o motivo é a ausência do uso de preservativo. O número de casos de
HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana), entre pessoas acima dos 50 anos dobrou na
última década, já que atualmente cerca 80% dos adultos entre 50 e 90 anos são
sexualmente ativos. De acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde, cerca de
4% a 5% da população acima de 65 anos são portadores do vírus HIV, um aumento de
aproximadamente 103% Além da AIDS, outra doença que têm aumentado sua
disseminação entre idosos é a Sífilis.

A Sífilis é uma doença transmitida pela bactéria Treponema pallidum, principalmente por
via sexual, que não escolhe idade, sexo e nem classe social. A Sífilis aparece como
feridas indolores no local da infecção, evoluindo para dores musculares, febre e dor de
garganta. A falta de tratamento pode danificar órgãos como cérebro, nervos, olhos e
coração, levando a cegueira, paralisia, demência e outros problemas de saúde.

O diagnóstico, porém, é fácil. Testes sorológicos eficazes são disponíveis no mercado, o
tratamento também não é complexo desde que seja tratado na fase primária da doença.
A EUROIMMUN disponibiliza no mercado brasileiro seis testes para detecção da sífilis,
inclusive em líquor, todos com validação e anuência dos órgãos de qualidade brasileiro
como o INCQS (FIOCRUZ).


Sobre a EUROIMMUN

A EUROIMMUN AG é líder em diagnóstico laboratorial. Mais de 2.400 funcionários em
todo mundo desenvolvem, produzem e distribuem sistemas de testes diagnósticos,
software e soluções em automação. Os produtos da EUROIMMUN são utilizados no
diagnóstico de doenças autoimunes, infecciosas e alérgicas em mais de 150 países, além
de oferecer análises genéticas.

...

Cursos orientam profissionais da dermatologia


Tanto para os tratamentos cosmiátricos, quando nos procedimentos cirúrgicos, a
atividade do dermatologista exige preparo e qualificação constante. Como parte da
programação da 42ª Jornada Gaúcha de Dermatologia, acontecem na sexta-feira
(20/10), aulas do curso Pré-Jornada. As atividades ocorrem no Hotel Sheraton, em Porto
Alegre, das 8h às 18h.

Durante a manhã, o curso é voltado para anatomia da face aplicada a tratamentos
estéticos dermatológicos, coordenado pela médica Rosemarie Mazzuco e com
participação dos médicos Alfredo Jacomo (SP) e Fernando Cafrune (RS). No início da
tarde, o programa contempla laser e luzes, abordando as plataformas mais usadas e
suas características. O tema será comandado pela médica Analupe Weber (RS).

Na sequência, os participantes acompanham o tema emergências no consultório
dermatológico, coordenado por Marina Viçosa Viana (RS). Haverá, também, o curso de
formulações, e, com a participação de Inara Bernardi Bagesteiro (RS), falando de
hidratantes faciais e antioxidantes tópicos; Ana Raquel Medeiros Geiss (RS), com o tema
de nutracêuticos, técnicas antienvelhecimento e tendências de manipulação
dermatológica e Christine Prescendo Chaves, abordando a temática do drug delivery.

Outras informações sobre o evento podem ser obtidas no site sbdrs.org.br/eventos.

Programação:

20/10/17 - Cursos pré-Jornada
Sala A
08:00 – 12:00 | Curso de Anatomia da face aplicada a tratamentos estéticos
dermatológicos Alfredo Jacomo (SP)
Coordenadora: Rosemarie Mazzuco (RS)

08:00 - 08:05 | Abertura e apresentações
08:05 - 09:35 | Anatomia da Face - Alfredo Jacomo (SP)
09:35 - 10:00 | Intervalo - Visita à área de exposição/Pôster
10:00 - 10:50 | Bloqueios faciais e áreas de risco cirúrgico - Fernando Cafrune (RS)
10:50 - 11:30 | Áreas de risco da face para injetáveis - Rosemarie Mazzuco (RS)
11:30 - 12:00 | Perguntas

Sala A
13:30 – 18:00 | Laser e Luzes: as plataformas mais usadas - curso comparativo
Coordenação: Analupe Weber (RS)

Industra/Vydence - Moyses Lemos (SP)
LMG Lasers - Abdo Salomão Jr (MG)
Skintec - Alvaro Boechat (SP)
LBT Lasers - Paulo Notaroberto (RJ)

Sala B

13:30 – 15:30 | Emergências no consultório dermatológico
Coordenação: Marina Viçosa Viana (RS)
16:00 – 18:00 | Formulação manipulada: dicas para prescrição dermatológica

• Hidratantes faciais, corporais, área dos olhos e lábios - Inara Bernardi Bagesteiro (RS)
• Nutracêuticos (incluindo antioxidantes orais) - Ana Raquel Medeiros Geiss (RS)
• Antioxidantes tópicos - Inara Bernardi Bagesteiro (RS)
• Drug delivery - Christine Prescendo Chaves(RS)
• Antienvelhecimento e despigmentantes tópicos - Christine Prescendo Chaves (RS), Ana
Raquel Medeiros Geiss (RS)
• Tendências da manipulação dermatológica e ativos usados em apresentações
comerciais - Ana Raquel Medeiros Geiss (RS) ...

Outubro rosa: três mulheres inspiradoras contam como convivem com as descobertas e os desafios do câncer


O câncer de mama é o segundo tipo mais comum em mulheres de todo o mundo, atrás
apenas do câncer de pele não melanoma. Dados do último levantamento da IARC –
Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, órgão da Organização Mundial da
Saúde (OMS), realizado em 2012, revelaram que mais de 1,7 milhão de pessoas em
todo o mundo foram diagnosticadas com tumores na mama naquele ano.1 No Brasil,
estimativas do INCA – Instituto Nacional do Câncer indicam mais de 57 mil novos casos
a cada ano.2

Estima-se que 30% dos casos de câncer de mama inicial evoluam para metástase –
quando o tumor se espalha para outros órgãos do organismo –, sendo mais frequente
nos ossos, pulmão, fígado e cérebro3. O risco de o câncer de mama retornar e gerar
metástase depende da biologia do tumor e do estágio em que ele se encontra no
momento do diagnóstico, podendo variar de pessoa para pessoa. Assim como a
sobrevida: com o avanço da medicina, já é possível tratar o câncer de mama
metastático como se trata uma doença crônica, controlando os sintomas e melhorando a
qualidade de vida da paciente.

É o que afirma Luiz Henrique Gebrim, mastologista e diretor do Hospital Pérola Byington
(SP) e professor de Mastologia da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), centro
de referência na saúde da mulher. "Apesar de ser mais difícil de chegar à cura nesse
estágio da doença, o diagnóstico de metástase não é mais encarado como sentença de
morte. Hoje, é possível considerá-lo como mais um desafio a ser vencido na busca pelo
controle e estabilização da doença". Nesse sentido, o médico destaca o desenvolvimento
de tratamentos inovadores, que retardam o uso da quimioterapia, prolongando o tempo
de sobrevida livre de progressão da doença e oferecendo menos efeitos colaterais –
resultando em mais qualidade de vida. "O tratamento de qualquer doença envolve certas
limitações, e com o câncer de mama metastático não seria diferente. Porém, é possível
ter mais dias bons do que dias difíceis, e retomar atividades rotineiras, como trabalho,
compromissos pessoais e viagens de lazer", completa Luiz Henrique Gebrim.

Conheça as histórias de três mulheres que relatam como é conviver com esse tipo de
câncer

"Não é possível sair imune de um câncer, mas é possível sair mais forte"

A jornalista Ana Michelle Soares, 34, recebeu o diagnóstico de câncer de mama aos 28
anos. Passou por uma cirurgia, sessões de quimioterapia e, após quatro anos de
acompanhamento, se preparava para receber alta completa. Até que, em 2015, veio o
diagnóstico de metástase – e, com ele, uma revisão de prioridades. "Quando finalizei o
tratamento inicial, a única coisa que passava pela minha cabeça era recuperar o tempo
perdido. Com a notícia da metástase, virei a chave: eu precisava viver", conta. "Comecei
a valorizar pequenas coisas e a comemorar cada conquista, a celebrar o quanto é bom
estar vivo". Para ela, o mais importante é aprender como driblar os desafios do
tratamento. "Há dias difíceis, mas eles não são meu foco. Organizo meu tratamento e, a
cada folga na medicação, tenho um tempo só para mim. Descobri que amo viajar e essa
tem sido uma das minhas motivações. Ano passado, fiz um cruzeiro pela Europa com
amigas; neste ano, levei meu pais para o Chile para verem a neve pela primeira vez e já
estou planejando a próxima parada. Não deixo o câncer ditar meu ritmo. Sou grata pela
minha vida e aproveito tudo o que ela tem a oferecer".

"Aprendi que é fundamental ter alguém que entende exatamente o que você está
passando para compartilhar medos, dúvidas e sonhos"

Renata Lujan, 37, é professora e foi diagnosticada com câncer de mama em 2013, a três
meses de seu casamento. Há dois anos, quando já havia se recuperado, um exame
identificou nódulos no fígado: o câncer havia se espalhado. Foi compartilhando o exame
em um grupo das redes sociais que Renata conheceu Ana Michelle. Elas se tornaram
amigas e contam sobre essa jornada no perfil @paliativas. "Na internet, tem muita
informação sobre câncer de mama, mas não sobre o estágio avançado, e isso faz falta.
Ouvi do meu médico que eu teria somente 'meses' de vida, e se não tivesse o apoio de
quem está passando pela mesma situação, seria ainda mais assustador. É como uma
terapia, mas ainda melhor". Renata afirma que, apesar dos momentos difíceis, considera
que vive melhor agora do que antes. "Certo dia, vi uma foto minha sem cabelo e me
achei bonita, e foi aí que me aceitei. E então tudo ficou mais fácil. É necessário fazer
escolhas, mas aprendi a ser feliz com as que fiz. Hoje, sou uma 'caçadora de pôr-do-sol',
desfruto cada momento como se fosse o último. As limitações que enfrento são apenas
materiais, e não de afeto".

" 'Metástase' " quer dizer muita coisa, inclusive que você pode ficar vivo por vários anos.
É difícil, mas é possível"

Hoje Youtuber, Jussara Del Moral, 53, está em tratamento contra o câncer de mama
desde 2007. Passou por cirurgias, quimioterapia, radioterapia e, em 2009 e 2013,
vivenciou os piores momentos de sua jornada: metástases no pulmão – um dos tipos
mais desafiadores de tratar – e na calota craniana, respectivamente. Hoje, dez anos
depois do diagnóstico inicial, ela segue com o tratamento e diz não ser "amiga" do
câncer, mas ter "uma boa convivência". "Eu tenho câncer há 10 anos. Pode, sim, existir
uma vida boa mesmo tendo a doença. Sou a prova disso! Acho que vivi mais nesses
últimos anos do que nos 40 antes do diagnóstico". Da luta contra o câncer, surgiu o
canal SuperVivente, onde Jussara compartilha, com bom humor, as surpresas e desafios
do dia-a-dia com metástase. "É assim que me vejo, uma supervivente! A vida é muito
boa para apenas sobrevivermos. Valorizo o que me dá prazer - seja dormir, quando não
estou muito bem, ou viajar, que é algo que amo!", conta ela, que recentemente curtiu
férias na Califórnia (EUA) na companhia do filho.

Sobre a Campanha Outubro Rosa Choque

Essas três histórias têm um ponto em comum: Ana Michelle, Renata e Jussara são as
protagonistas da campanha "Outubro Rosa Choque: na hora da luta, o instinto aparece",
promovida pela Novartis. Para Luciana Holtz, presidente e fundadora do Instituto
Oncoguia, "o câncer de mama metastático é uma doença que precisa ser discutida. Há
muito que se pode fazer para ajudar a paciente e isso precisa se tornar uma prioridade
no país". De acordo com as próprias pacientes, que fazem parte da rede Oncoguia, é a
primeira vez que uma campanha chama a atenção para a fase avançada do câncer de
mama, contribuindo para um melhor entendimento da doença e das necessidades
dessas pacientes. Tendo como tema central a força da mulher, a primeira fase da
campanha traz essas mulheres guerreiras transformadas em feras pelos artistas Alma
Negrot e Koichi Sonoda, especialistas em body painting. O resultado pode ser conferido
em http://saude.novartis.com.br/cancer-de-mama/outubro-rosa-choque-luta-contra-o-
cancer-de-mama-avancado/.

Sobre a Novartis

A Novartis oferece soluções inovadoras de cuidados com a saúde que atendem às
necessidades em constante mudança dos pacientes e da população. Com sede em
Basileia, na Suíça, a empresa oferece um diversificado portfólio de medicamentos
inovadores, genéricos, biossimilares e produtos para cuidados com os olhos a fim de
melhor atender a essas demandas, sendo a única empresa global com posições de
liderança nessas áreas. Em 2016, as operações do Grupo atingiram vendas líquidas de
US$ 48,5 bilhões e cerca de US$ 9 bilhões foram investidos em pesquisa e
desenvolvimento. As empresas do Grupo Novartis empregam aproximadamente 118.000
colaboradores e seus produtos estão presentes em mais de 155 países ao redor do
mundo. Para mais informações, acesse www.novartis.com.br


Referências

International Agency for Research on Cancer. GLOBOCAN 2012: Estimated Cancer
Incidence, Mortality and Prevalence Worldwide in 2012. Disponível em
http://globocan.iarc.fr/. Último acesso 25.09.2017.
Instituto Nacional do Câncer – INCA. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil.
Disponível em www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf. Último
acesso 25.09.2017.
O'Shaughnessy J. Extending survival with chemotherapy in metastatic breast cancer.
Oncologist. 2005;10 (Suppl 3):20–9 ...

Sedentarismo e maus hábitos alimeres estão no topo da lista de causas evitáveis do câncer


Segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% dos casos de câncer
no mundo estão relacionados ao nosso modo de vida. Entre os principais fatores
responsáveis por este preocupante cenário estão hábitos alimentares pouco saudáveis e
falta de uma rotina de exercícios físicos. Por isso, a recomendação da entidade é que
pessoas de 18 a 64 anos pratiquem pelo menos 150 minutos de exercícios moderados
por semana – ou, em média, pouco mais de 20 minutos por dia. Isso significa que
pequenos ajustes na rotina, como caminhar pequenas distâncias, aderir à bicicleta como
opção de transporte ou subir e descer escadas ao invés de usar o elevador, podem
colaborar para o afastamento da grande maioria dos fatores de risco que levam ao
surgimento da doença.

"Sedentarismo, sobrepeso/obesidade e consumo excessivo de gorduras podem ser
classificados como 'vilões' que respondem, em especial, pela elevação no risco de
desenvolvimento de tumores que afetam intestino, endométrio, próstata, pâncreas e
mama", explica o Dr. Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO)
– Grupo Oncoclínicas.

Ainda de acordo como especialista, estes fatores se tornam ainda mais preocupantes
quando levamos em conta sua relação direta com o aumento constante nos registros de
casos de câncer entre jovens. Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam
que a condição já é a segunda maior causa de morte de pessoas entre 15 a 29 anos no
país, perdendo apenas para óbitos decorrentes de acidentes e violência. Entre 2009 e
2013, a entidade estima que 17.500 jovens morreram em decorrência de tumores
malignos.

O incentivo à prática constante de exercícios físicos e ingestão de alimentos saudáveis
surgem não apenas como iniciativas essenciais para frear os índices aumentados da
doença como também forma de potencializar o processo de tratamento para pessoas
com câncer. "Uma série de estudos científicos sugerem que indivíduos que praticam
atividade física e seguem uma dieta equilibrada têm melhores respostas às terapêuticas
e, portanto, apresentam taxa de sobrevivência maior ao câncer cinco anos após o
diagnóstico", afirma o oncologista do CPO.

Confira 10 passos indicados pelo Dr. Daniel Gimenes que contribuem para a redução
global dos riscos de incidência do câncer:

1. Alimentação saudável é um hábito que ajuda na prevenção ao câncer. A dieta do
mediterrâneo, que inclui frutas, peixes, grãos e azeite, é um excelente exemplo;

2. Existem vacinas que podem contribuir para a prevenção do câncer. Um exemplo é a
vacina contra o HPV, vírus responsável por 90% dos casos de câncer de colo de útero;

3. Após os 40 anos, realize mamografia anualmente. A detecção precoce aumenta em
até 95% as chances de recuperação em casos de câncer de mama. (Fonte: SBM –
Sociedade Brasileira de Mastologia – DF)

4. Na maioria dos casos, o câncer de pulmão está associado ao consumo de cigarro ou
derivados. Parando agora, sua saúde melhora radicalmente. Em 1 ano, o risco de
doenças ligadas a males do coração, como infarto, cai pela metade. (Dados da SBCT –
Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica)

5. A prática regular de atividades físicas ajudar a prevenir o câncer. O sobrepeso e a
obesidade estão relacionados aos seguintes tipos de câncer: intestino, endométrio,
próstata, pâncreas e mama.

6. O apoio familiar é fundamental na vida do paciente oncológico. Centrados no cuidado
integral, os tratamentos atuais ajudam o paciente na parte médica com terapias
complementares como yoga, massoterapia, assistência nutricional e psicológica, além
dos cuidados com a boca.

7. A imunoterapia é hoje um grande avanço no tratamento do melanoma, câncer de
pulmão, câncer de rim e outras doenças. Essa nova terapia potencializa o sistema
imunológico para combater as células malignas.

8. A detecção precoce do câncer pode salvar vidas. Consulte sempre um médico
especialista e faça exames periodicamente.

9. Existem testes genéticos que possibilitam a personalização do tratamento dos
pacientes e, mais do que isso, a identificação de risco e o diagnóstico precoce de
doenças hereditárias, incluindo o câncer. (Fonte: Idengene)

10. O câncer de pele é o tipo mais comum em todo o mundo, e pode ser prevenido.
Evite e exposição ao sol entre as 10h às 15h. Use protetor solar diariamente com Fator
de Proteção Solar (FPS) mínimo de 30 (Fonte: Consenso Brasileiro de Fotoproteção–
Sociedade Brasileira de Dermatologia)

Sobre a CPO

Fundado há mais de três décadas pelos oncologistas clínicos Sergio Simon e Rene Gansl,
o Centro Paulista de Oncologia CPO - Grupo Oncoclínicas, oferece cuidado integral e
individualizado ao paciente oncológico. Com um corpo clínico com mais de 50
oncologistas e hematologistas e uma capacitada equipe multiprofissional com psicólogos,
nutricionistas, farmacêuticos, enfermeiros e reflexologistas. Oferece consultas médicas
oncológicas e hematológicas, aplicação ambulatorial de quimioterápicos, imunobiológicos
e medicamentos de suporte, assistência multidisciplinar ambulatorial, além de um
serviço de apoio telefônico aos pacientes 24 horas por dia e acompanhamento médico
durante internações hospitalares.

O CPO possui a acreditação em nível III pela Organização Nacional de Acreditação (ONA)
e a Acreditação Canadense Diamante (Accreditation Canada), do Canadian Council on
Health Services Accreditation, o que confere ao serviço os certificados de "excelência em
gestão e assistência" e qualifica a instituição no exercício das melhores práticas da
medicina de acordo com os padrões internacionais de avaliação. A instituição possui uma
parceria internacional com o Dana Farber Institute / Harvard Cancer Center, que garante
a possibilidade de intercâmbio de informações entre os especialistas brasileiros e
americanos, bem como discussão de casos clínicos. Além disso, ainda, proporciona a
educação médica continuada do corpo clínico do CPO, com aulas, intercâmbios e eventos
com novidades em estudos e avanços no tratamento da doença. Atualmente o CPO
possui duas unidades de atendimento em São Paulo, nos bairros de Higienópolis e Vila
Olímpia.

Sobre o Grupo Oncoclínicas

Fundado em 2010, é o maior grupo especializado no tratamento do câncer na América
Latina. Possui atuação em oncologia, radioterapia e hematologia em 10 estados
brasileiros. Atualmente, conta com mais de 43 unidades entre clínicas e parcerias
hospitalares, que oferecem tratamento individualizado, baseado em atualização
científica, e com foco na segurança e o conforto do paciente.





...

Dia Mundial da Visão alerta para importância dos cuidados com a saúde dos olhos


Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que entre 60% e 80% dos casos de cegueira
são evitáveis e/ou tratáveis. Atualmente, no Brasil, há mais de 1,2 milhão de cegos. Ou
seja, quase 700 mil brasileiros que são cegos poderiam estar enxergando se tivessem
recebido tratamento adequado e em tempo adequado.

A OMS se uniu a outras instituições globais para, ao menos um dia por ano, chamar a
atenção de toda a sociedade para os perigos da cegueira evitável: o Dia Mundial da Visão,
comemorado todos os anos na segunda quinta-feira do mês de outubro.

Nesta data, em todo o planeta, médicos, pacientes, autoridades e comunidades realizam
ações de conscientização e esclarecimento para que todos reflitam sobre como responder à
seguinte pergunta: o que está ao nosso alcance fazer para que até 2019 tenhamos reduzido
em 25% o total de cegos por causas que poderiam ser evitadas?

...

Governo mobiliza municípios para aumentar o número de alunos com deficiência nas escolas


Garantir o acesso e a permanência de crianças e adolescentes com deficiência é o
objetivo do Programa BPC na Escola. O público-alvo tem entre 0 e 18 anos de idade e
recebe algum tipo de benefício de prestação continuada (BPC). O desafio é levar todos
para a sala de aula e, assim, promover o desenvolvimento integral deles.

Nesse sentido, o programa une duas palavras importantes: educação e inclusão.
Funciona desde 2008 em todo país. No Rio Grande do Sul, 367 municípios já aderiram,
porque a prefeitura precisa demonstrar interesse e pedir adesão.

Segundo a secretária de Desenvolvimento Social, Justiça, Trabalho e Direitos Humanos,
Maria Helena Sartori, ainda é preciso conscientizar os outros 130 municípios gaúchos
sobre a importância da iniciativa. Maria Helena participou da abertura do 2º Seminário
de Formação para Gestores Municipais do Programa BPC na Escola, que começou nesta
quarta-feira (4), em Porto Alegre, e vai até sexta-feira (6). O curso, para equipes de
cerca de oitenta municípios, tem o objetivo de ampliar e melhorar o acompanhamento
dos alunos com deficiência.

O programa reúne os governos federal, estadual e municipal. Ao Estado, cabe, por
exemplo, identificar quantos beneficiários com deficiência de até 18 anos estão, de fato,
estudando. No Rio Grande do Sul, dos 25.027 beneficiários, 17.968 frequentam a escola.
"Nosso objetivo é que todos estudem. Porque isso é um direito e uma janela para muitas
oportunidades. Precisamos mobilizar ainda mais os municípios. Por isso, esse seminário
de capacitação e qualificação das equipes municipais é tão importante. Temos que
espalhar essa ideia", afirmou Maria Helena.

Outra tarefa difícil é identificar e derrubar as barreiras que ainda impedem o acesso e a
permanência dos alunos com deficiência na escola, barreiras físicas e até de
comportamento da sociedade. Por isso, segundo Sonia Rosa, diretora pedagógica da
Secretaria da Educação, é tão importante uma visão intersetorial. "Quando as
secretarias unem esforços e alinham as ações, os resultados vêm mais rápido. Aqui, no
caso, temos as secretarias da Educação, da Saúde e de Desenvolvimento Social,
Trabalho, Justiça e Direitos Humanos. Quem ganha é o coletivo", lembrou.

...

Emagrecimento saudável pós cirurgia bariátrica


O número de cirurgias bariátricas vem crescendo muito no Brasil. Segundo a Sociedade
Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, em 2016 foram realizadas mais de 100 mil
operações no país. A cirurgia tem sido uma solução para quem precisa perder peso e
controlar a saúde, no entanto, após a cirurgia bariátrica muitos são os cuidados que a
pessoa deve ter para manter a qualidade de vida.
Como a bariátrica é uma forma rápida de emagrecimento, é comum que muitas pessoas
voltem a engordar após a cirurgia. O corpo precisa se acostumar com novos hábitos,
pois, depois de um tempo, a absorção de nutrientes tende a retomar o processo antigo e
a pessoa torna a ganhar peso. Além disso, também devido ao emagrecimento rápido, é
normal que muitas pessoas que se submeteram a bariátrica também precisem realizar,
posteriormente, cirurgias plásticas para remoção de excesso de pele e flacidez.
Nesse sentido, uma solução inovadora vem trazendo excelentes resultados: o
Ortobariatric®. Trata-se de um método genuinamente ortomolecular com foco no
acompanhamento estético da perda de peso do paciente de cirurgia bariátrica, visando a
reorganização da estrutura geral da derme, hidratação, revitalização e nutrição da pele,
além do controle da flacidez tissular.
O tratamento tem o objetivo de retardar o envelhecimento precoce da pele, como
aponta a esteticista e tecnóloga Prof.ª Altair Sarmento, que desenvolveu a técnica, hoje
promovida exclusivamente pela Bothanica Mineral®. “O Ortobariatric® reduz o
ressecamento da pele, promove a hidratação profunda, favorece o emagrecimento assim
como a redução da gordura adiposa e da celulite, elimina o cansaço dos membros
inferiores, suaviza e lubrifica a pele, encurta as fibras elásticas da pele, elimina os
edemas, regenera os tecidos, aliviar a tensão e fadiga muscular, melhora a
microcirculação da pele e ainda desintoxica o organismo”, afirma.
A Prof.ª Altair Sarmento também lembra que o tratamento não substitui totalmente a
necessidade de cirurgia plástica, mas colabora muito com os resultados pós cirurgia
bariátrica. “Estudos têm apontado que cerca de 80% dos pacientes da técnica
Ortobariatric® ficam tão satisfeitos com os resultados, que acabam não realizando
cirurgias plásticas relacionadas à perda rápida de peso. O tratamento visa
principalmente reestruturar o tecido com hidratação e nutrição da pele, ativando e
estimulando a produção de colágeno e da elastina. O paciente submetido ao
Ortobariatric® irá perder peso e, ao mesmo tempo, tonificar seu sistema cutâneo, tendo
uma melhor qualidade de vida e uma maior rapidez de recuperação pós-operatório,
associada a uma pele muito mais saudável”, garante.

Solução ortomolecular

Por ser um método genuinamente ortomolecular, o Ortobariatric® deve ser iniciado
antes mesmo da cirurgia bariátrica, pois, assim, irá melhorar a microcirculação da pele e
proporcionar uma satisfatória cicatrização no pós-operatório. O tratamento tem duração
média de 6 a 8 meses e é dividido em séries, à medida que o paciente perde peso. Após
o tratamento, o paciente perde em média de 30% a 40% de seu peso inicial.


Sobre a Bothanica Mineral®
É uma empresa absoluta no ramo cosmecêutico e nutracêutico genuinamente
ortomolecular e referência nacional no mercado de estética corporal. Está presente em
todos os estados brasileiros e mais 15 países.
...

5 fatos que você não sabia sobre os efeitos da radiação solar na pele


Pode parecer um assunto restrito ao verão, mas a verdade é que não existe tempo ruim
para a radiação solar causar efeitos imediatos e prolongados na pele. Seja no frio, seja
no calor, ela não deixa de afetar o ser humano nem por um segundo. O profissional de
saúde, particularmente o dermatologista, deve promover e identificar as medidas
adequadas aos seus pacientes, com o objetivo de reduzir a exposição ao sol e prevenir o
desenvolvimento do dano cutâneo agudo e crônico. José Pelino, diretor de Engajamento
Científico da Johnson & Johnson para América Latina, reuniu alguns fatos que você
precisar saber sobre essa energia onipresente, que tem efeito cumulativo no corpo.
Confira!


1. Existe um filtro natural, mas não é suficiente

O sol emite radiação eletromagnética desde ondas de rádio até ondas gama, mas a
maior parte dessa radiação é filtrada pela atmosfera antes de chegar à superfície da
Terra, possibilitando nossa sobrevivência. A radiação que chega à crosta terrestre é
composta principalmente pelo infravermelho (IV), principal responsável pela sensação
de calor; pela luz visível, que nos permite enxergar objetos, distingui-los e diferenciar
suas cores; e por fim, pela radiação ultravioleta (UV), responsável por importantes
efeitos danosos à pele.


2. Diferentes radiações causam danos distintos

De toda radiação UV que chega à Terra, mais de 90% atravessa as nuvens. A radiação
UV se divide em UVB e UVA, e ambas resultam em danos a pele. Os raios UVB (5%)
atuam através de dano direto ao DNA, eles são os mais perigosos à saúde, atingem as
camadas mais superficiais da pele e estão muito associados ao surgimento da
vermelhidão. Já os raios UVA (95%) atuam através da formação de radicais livres na
pele, eles penetram mais profundamente e estão associados ao surgimento de manchas
com o passar dos anos. Tanto a radiação UVB quanto a UVA estão associadas à
incidência de cânceres de pele. ¹²³â´

1. WHO/EHG/95.16

2. ISO 17166/CIE S007/E.

3. de Gruijl FR, Van der Leun JC. Health Phys. 1994;67(4):319-325.

4. Kligman LH, Sayre RM. Photochem Photobiol. 1991;53(2):237-242.


3. Temperatura versus Radiação

O índice de ultravioleta (IUV) não tem relação direta com a temperatura que medimos e
sentimos na superfície da Terra. A sensação de calor é causada pela radiação IV e não
pela radiação UV. É importante observar que mesmo com temperaturas baixas ou em
dias nublados, existe a incidência dos raios UV e, por isso, é fundamental usar protetor
solar mesmo nos dias nublados ou chuvosos. ⁵

5. Corrêa MP. A divulgação do IUV como prevenção ao excesso de exposição ao sol: uma
contribuição da meteorologia para o desenvolvimento de políticas públicas para a saúde
no País. In: XIII Congresso Brasileiro de Meteorologia, 2004, Fortaleza. Anais. Disponível
em:
http://mtc16b.sid.inpe.br/col/cptec.inpe.br/walmeida/2004/07.26.14.15/doc/Corrrea_A
%20divulgacao.pdf

4. A água não protege contra a radiação UV

A água é capaz de filtrar a radiação infravermelho aliviando a sensação de calor, mas
não é eficiente em filtrar a radiação UV. Mesmo tomando um mergulho a meio metro de
profundidade, a intensidade da radiação UV é ainda 40% da intensidade apresentada na
superfície da água. Outra curiosidade é que a espuma do mar, reflete de 10 a 30% da
radiação solar.

5. No supermercado, você não compra "bloqueadores" solares

O protetor solar não funciona como "bloqueador" de radiação, e sim, como um filtro,
atenuando a intensidade do UV principalmente através do mecanismo conhecido como
absorção. Os outros mecanismos envolvidos são a reflexão e o espalhamento 6. Assim,
quando a radiação UV entra em contato com o protetor aplicado na pele, a intensidade
desses raios é reduzida pelo produto e o potencial de dano é minimizado. Quanto maior
o valor de FPS, maior a atenuação da intensidade da radiação UV e maior a proteção.

...

Autoridades debatem criação de uma rede para proteção da pessoa idosa


A necessidade de criar uma rede de defesa e proteção à pessoa idosa no Rio Grande do
Sul é tema de um evento que ocorre nesta segunda-feira (2), no Palácio da Justiça, em
Porto Alegre. Promovido pelo Poder Judiciário, o encontro reúne autoridades e
profissionais que trabalham no setor e marca o Dia Internacional da Pessoa Idosa,
comemorado em 1º de outubro.

A secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria
Helena Sartori, uma das palestrantes da abertura, destacou a relevância do tema em um
estado que tem 18 das 20 cidades com o maior número de idosos do país, segundo
dados do IBGE. Maria Helena falou da importância de investir cada vez mais na
prevenção, para evitar situações de abandono e violência física contra os mais velhos.

Segundo a secretária, uma sociedade que respeita e cuida dos idosos não surge de uma
hora para a outra. "É uma semente que devemos plantar lá na infância, para que nossas
crianças virem jovens e adultos com essa consciência. Hoje, infelizmente, as estatísticas
mostram que, quase sempre, as agressões partem de pessoas próximas aos mais
velhos. Precisamos nos perguntar: qual a responsabilidade de cada um nessa rede de
proteção? Isso envolve as famílias, a Assistência Social, a Saúde, a Segurança Pública, o
Ministério Público, a Justiça, só para citar alguns exemplos", disse.

Maria Helena falou dos programas estaduais de grande abrangência, como o Primeira
Infância Melhor (PIM) e as Cipaves (Comissões Internas de Prevenção a Acidentes e
Violência Escolar), que estimulam, respectivamente, os vínculos familiares e a cultura da
paz.

A corregedora-geral de Justiça, desembargadora Íris Helena Medeiros, lembrou que o
estatuto do idoso completou 14 anos nesse domingo. "Temos os direitos assegurados
por lei, mas precisamos, enquanto sociedade, conseguir transformá-los em realidade de
fato. Temos que criar a cultura de olhar mais para as pessoas idosas, assim como já
aprendemos a olhar para as crianças e os adolescentes", afirmou.

Segundo o IBGE, os idosos representem mais de 15% da população gaúcha. É acima da
média nacional, que fica em torno de 10%. ...

Jovens não estão isentos de doenças do coração


A saúde do coração não está diretamente ligada à idade. Apesar da menor probabilidade
ao problema, os jovens não estão imunes às doenças cardíacas. De acordo com o
cardiologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Renato Arnoni, até os 30
anos os diagnósticos mais comuns não estão atrelados apenas aos maus hábitos.

Nesta faixa etária, uma das principais causas de problemas no coração são as alterações
congênitas, adquiridas antes do nascimento. Arnoni explica que, quando o diagnóstico é
feito em adultos jovens, a possibilidade de ser uma doença benigna torna-se maior.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgados em 2016, apontam que
cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos vítimas de doenças
cardiovasculares (como ataques cardíacos e derrames) – causa número um de morte em
todo o planeta.

Além das doenças congênitas, outros problemas cardíacos podem aparecer de maneira
silenciosa. O médico reforça que, por não apresentarem sintomas claros, fatores de risco
como antecedente familiar de doença cardíaca, estresse e histórico de colesterol alto
desde a infância não devem passar despercebidos.

Esses quadros clínicos podem evoluir para outras consequências, como o infarto. O
cardiologista esclarece que, nesta fase da vida, como ainda não há a circulação colateral,
a lesão na artéria tende a ser mais grave. "O organismo dos mais jovens tem dificuldade
em desenvolver outras formas do sangue passar após a obstrução", explica Arnoni.

As arritmias, caracterizadas pelos batimentos irregulares do coração, estão também
entre as preocupações. Os casos mais graves necessitam de cirurgia, porém, na maioria
das vezes, é possível controlar com medicamentos.

Para evitar situações mais críticas e ter um diagnóstico precoce, é recomendado o
acompanhamento médico desde a infância, principalmente quando há fatores de risco. O
cardiologista salienta que, algumas destas doenças do coração podem estar ligadas aos
maus hábitos, sendo importante ter uma vida saudável.

"É fundamental começar a se cuidar desde cedo para evitar problemas futuros, como as
doenças coronárias. Por isso deve-se controlar os fatores de risco, como tabagismo,
colesterol alterado, obesidade e histórico familiar", pontua o especialista.

A atividade física está também entre as práticas de prevenção. Arnoni aconselha
exercícios regrados, como caminhadas, com acompanhamento clínico ... ...




Edição n° 172 - Outubro 2017

Selecionar Edição
  • Edição n° 172
  • Edição n° 171
  • Edição n° 170













  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821