Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 17 de Novembro de 2018. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
26331535


Edicão n° 185 de Novembro 2018


GERAL

Para caminhar no ritmo certo


Médicos afirmam que para que exercício físico tenha efeitos benéficos para a saúde, é
preciso manter frequência e intensidade na atividade.

Controle do peso, auxílio no tratamento de condições crônicas degenerativas como
diabetes, obesidade, osteoporose e hipertensão arterial e melhoras na autoestima e no
nível de concentração, estão entre os benefícios já conhecidos da caminhada. Além
disso, mesmo que realizado no período mínimo recomendado, o exercício também
contribuir para a longevidade, visto que a inatividade física é o quarto principal fator de
risco para a mortalidade global. Porém, para um efeito saudável, é necessário observar
algumas questões, principalmente com relação ao ritmo.

- O que vai regular a intensidade da caminhada não é o tempo. Este é um erro que todo
mundo comete. A caminhada tem que ter um ritmo importante, calculado pelos
batimentos cardíacos e baseado na idade da pessoa. A fórmula é simples: 220 menos a
idade multiplicado por 0,85 – explica o sócio da Associação Médica do Rio Grande do Sul
(AMRIGS) e presidente da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul (Socergs),
Daniel Souto Silveira.

Os aplicativos para smartphones e smartwacthes, muito utilizados por quem pratica
exercícios físicos, também podem ajudar a medir a distância, estabelecer o ritmo e criar
metas.

Com o ritmo acertado, a frequência recomendada pelos profissionais da saúde é, no
mínimo, de meia hora por dia e ao longo de cinco dias na semana. Dentro deste tempo,
inicie com um aquecimento e aumente a velocidade de forma gradual, relaxando no
final. Outra orientação, do ortopedista associado da AMRIGS, Jordão Wittckind Chaves
de Andrade, é utilizar um tênis adequado para o tipo de pisada.

- É importante, ainda, durante a prática do exercício, manter a coluna reta, os ombros
para trás e relaxados, abrindo o peito. Movimentar os braços enquanto caminha pode
aumentar em até 15% o gasto calórico – destaca Andrade.

Embora a caminhada seja recomendada e possa ser realizada por todas as pessoas,
inclusive por quem apresenta artrose no joelho ou quadril leve, é sempre bom consultar
um médico antes de iniciar um exercício físico. Além disso, ao sentir qualquer sintoma
ou mal estar, como dor no peito ou falta de ar excessiva, deve-se procurar uma
emergência.

Conheça os principais benefícios da caminhada:

- Para quem tem insuficiência cardíaca, vários estudos mostraram que o exercício
repetido reforça o coração e diminui a chance de internação hospitalar. Já para quem
tem doença das coronárias, a atividade cria pequenas artérias que dão conta do déficit
do coração com o entupimento;

- Promove bem-estar, reduz o estresse, a ansiedade e a depressão. Além disso, deixa os
reflexos mais rápidos e a memória mais apurada o que, junto com o ganho de massa
óssea, reduz o número de fraturas em idosos;

- Ajuda a manter a mobilidade articular e a massa muscular, que auxilia a diminuir os
sintomas da doença articular degenerativa. A caminhada também pode diminuir a dor
crônica, sendo um dos tratamentos mais eficazes para a fibromialgia, devido a liberação
de endorfinas que podem bloquear a dor e produzir a sensação de relaxamento. ...

Ponte do Guaíba: 1º mutirão encerra com 142 acordos


A 26ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) concluiu, na tarde desta quarta-feira (31/10), o
primeiro mutirão de conciliação envolvendo as ações de desapropriação para a
construção da nova ponte sobre o Rio Guaíba. Durante três dias, 153 famílias
moradoras da Ilha Grande dos Marinheiros negociaram com o Departamento Nacional de
Infraestrutura de Transporte (Dnit), sendo fechados 142 acordos. Foram redesignadas
para ocorrem em nova data outras 14 ações e foi registrada uma ausência.

Moradora da ilha desde que nasceu, Andressa da Cruz Rodrigues (30 anos) foi uma das
dezenas de pessoas que estiveram presentes no auditório do prédio-sede da Justiça
Federal do RS (JFRS) ao longo desta semana para negociar uma nova moradia com Dnit.
Acompanhada da mãe, Marion (52 anos), e do filho Conrado (1 ano e 4 meses), ela
falou sobre as expectativas com o novo lar.

“Eu moro com meu marido e três filhos em uma casa de quatro cômodos que fica bem
próxima ao rio [Guaíba]. Já tivemos diversos problemas com as enchentes. Há tempos
eu e meu esposo falamos em sair da ilha, a única coisa que estava faltando era o
dinheiro para comprar um imóvel em outro local. Meu objetivo agora é adquirir uma
casa em Eldorado do Sul (município vizinho). Eu acho que serei bem feliz por lá”,
confessou Andressa.

Assim como a maioria dos moradores que participaram do mutirão, Andressa firmou um
acordo de compra assistida e terá 60 dias para indicar ao Dnit um imóvel de até R$ 152
mil, que será adquirido e entregue à sua família. Por não se tratar de um acordo de
natureza indenizatória, ela não irá receber a diferença caso a residência escolhida
possua um valor inferior ao limite estipulado.

Quem não precisará escolher imóvel algum é Delci de Moura (43 anos). Informado sobre
o procedimento adotado pela JFRS, o reciclador já chegou na audiência com a
documentação da casa que pretende comprar, que também fica localizada em Eldorado
do Sul. Apesar de mostrar um pouco de preocupação sobre como conseguirá serviço no
novo endereço, ele se mostrou satisfeito com a nova habitação.

“Eu moro na Ilha [Grande dos Marinheiros] há uns 40 anos. Conheço todo mundo por
lá, tenho familiares e bastante emprego. Mas sei que um imóvel de R$ 150 mil não é
fácil [adquirir]. Para melhorar de vida, a pessoa tem que pensar pra frente, não pode
pensar pra trás”, concluiu.
A satisfação com os resultados do mutirão, porém, não ficou restrita aos moradores.
Presente nas audiências ao longo de toda a semana, o procurador do Dnit Alcemar
Cardoso da Rosa se mostrou otimista em relação à entrega da ponte. “Nós já realizamos
cerca de 72% da obra. O objetivo é que ela seja concluída até o final do ano que vem.
No entanto, para isso, nós precisamos que os moradores sejam transferidos do local”,
destacou.

As próximas audiências de conciliação já estão agendadas para a próxima semana (6 e
7/11). A 26ª Vara Federal da capital já agendou mais 75 ações de desapropriação para
entrar nas rodadas de negociações. O Dnit, por sua vez, promete ajuizar mais 104
processos nas próximas semanas. De acordo com o juiz federal Hermes Siedler da
Conceição Júnior, o objetivo é fazer com que todos estas demandas sejam levados à
conciliação até o final deste ano.

O magistrado também destacou a responsabilidade da Justiça Federal neste tipo de
ação. “Nós levamos em consideração o fato de que as famílias que passaram pela
instituição ao longo desta semana são, em sua maioria, de baixa renda e que moram em
uma localidade bem complicada. Nosso papel foi de garantir que elas tenham a
oportunidade de receberem casas escrituradas e sem qualquer tipo de ônus”, concluiu o
juiz.


Seção de Comunicação Social e Cerimonial;
Justiça Federal do Rio Grande do Sul;
secos@jfrs.gov.br; ...

FMP recebe Selo Instituição Socialmente Responsável


Projeto que disponibiliza estágio para adolescentes albergados do Pão dos Pobres é uma
das ações sociais realizadas pela FMP no ano de 2018

A Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP) acaba de receber o Selo
Instituição Socialmente Responsável concedido pela Associação Brasileira de
Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES). O selo certifica a participação na 14ª
Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular.

A FMP recebeu o selo pelas ações realizadas ao longo deste ano de 2018. Entre os
projetos estão a Parceria entre o Ministério Público e a FMP que concedeu uma bolsa
integral para o curso de graduação em Direito para uma jovem egressa do acolhimento
institucional da Fundação Pão dos Pobres. O mesmo projeto concedeu três vagas de
estágio da Instituição para adolescentes acolhidos no Pão dos Pobres. Outra ação é o
Termo de cooperação com a Fundação O Pão dos Pobres, que visa prestação de serviços
jurídicos da FMP para colaboradores da Fundação, seus familiares e famílias
beneficiadas no atendimento socioassistencial. Outro destaque foi o convênio com o
Instituto de Acesso à Justiça, que viabiliza o acesso de negros e indígenas graduados
em Direito ao Curso Preparatório às Carreiras Jurídicas oferecido pela FMP.

Para o presidente da FMP, Dr. David Medina da Silva, o selo demonstra que os recursos e
esforços da Instituição são totalmente direcionados a melhorar o mundo em que
vivemos. “Ao lado de todos os nossos outros indicadores de qualidade e eficiência, este
novo selo demonstra nosso compromisso com a democracia e com as pessoas, que são
valores da Instituição, reforçando o propósito de melhorar o mundo por meio da
educação” destaca.

A FMP possui nota máxima (5) na avaliação do Ministério da Educação (MEC), nota
máxima no Guia do Estudante, prêmio Excelência Especializada no Guia do Estudante e
é a única faculdade privada de Porto Alegre e Região Metropolitana a receber o Selo OAB
Recomenda.

O Diretor da Faculdade de Direito FMP, Dr. Fábio Roque Sbardellotto ressalta que o selo é
mais uma distinção que a FMP recebe neste momento tão importante vivido pelas
instituições de ensino e soma-se a todos os destaques que a FMP já tem no cenário
educacional brasileiro, como o Selo OAB Recomenda e a nota máxima do MEC. “Esse
grau de responsabilidade social agora conquistado, ratifica todas as atividades que
sempre foram desenvolvidas e a qualidade do ensino superior da FMP.” Destaca que todo
o conhecimento conquistado nas academias deve ser voltado ao seu ambiente prático e
concreto, melhorando a nossa sociedade e o mundo. “Esse é o grande desafio que a
FMP sempre assumiu e agora é reconhecido. Trata-se de uma responsabilidade imensa
com a nossa sociedade, que reafirma os valores e ideais da FMP e do Ministério Público."

A Coordenadora da Área de Responsabilidade Social, Renata Dotta destaca o importante
momento que vive a FMP no alcance dos seus valores institucionais em prol das causas
sociais e da melhoria da educação e da cultura dos jovens. Como IES socialmente
responsável a FMP também vem ampliando a participação dos acadêmicos do curso de
Direito em projetos sociais e de assistência jurídica gratuita. Destaca ainda a
pluralidade dos projetos de responsabilidade social, que abrangem o acesso a direitos a
pessoas em situação de maior vulnerabilidade social.

Sobre a FMP
A Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP) foi criada em 30 de novembro
de 1983, por promotores e procuradores de Justiça do Estado. É uma instituição de
ensino privado, especializada no ensino jurídico.

O primeiro passo, em 1983, foi oferecer o curso preparatório para o concurso público
de Promotoria. Hoje a instituição oferece também graduação em Direito, Especialização,
Mestrado, cursos de aperfeiçoamento in company e cursos preparatórios para
concursos públicos nas modalidades presencial e a distância. ...




Edição n° 185 - Novembro 2018

Selecionar Edição
  • Edição n° 185
  • Edição n° 184
  • Edição n° 183







  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821