Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 23 de Outubro de 2019. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
30420229


Edicão n° 196 de Outubro 2019


EDUCAçãO

2º Festival Steam Seduc destaca criatividade e empreendedorismo dos alunos da rede estadual


Pense num encontro com estudantes criativos e inovadores que entendem tudo de
games, aplicativos, teatro, música, dança, robótica educacional e inteligência artificial.
Junte tudo isso com professores engajados em direcionar o conhecimento em benefício
da sociedade. Conseguiu imaginar? Este é o 2º Festival Steam, promovido pela
Secretaria Estadual da Educação (Seduc), que ocorre até sexta-feira (18/10) no 2º
andar do Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff).

O evento, que mobiliza mais de 200 pessoas, entre estudantes e professores de todo o
Estado, conta com cerca de 70 oficinas e exposições que trabalham conceitos de ciência,
tecnologia, engenharia, arte, matemática e meio ambiente.

Durante a cerimônia de abertura, realizada na manhã desta quinta-feira (17/10), o
secretário estadual de Educação, Faisal Karam, destacou a importância do 2º Festival
Steam. “Esta é uma grande oportunidade para mostrar o talento dos alunos e o trabalho
diferenciado dos nossos professores da rede estadual. Sabemos das dificuldades, mas
entendemos que não adianta reclamarmos do passado e não olharmos para o futuro.
Queremos um rumo para a educação do Estado, e é por meio do incentivo à criatividade
e ao empreendedorismo dos jovens que isto vai ocorrer”, afirmou.

Karam falou da liberação de R$ 20,1 milhões às escolas, confirmada pela Secretaria da
Fazenda no início de outubro, que permitirá a construção de novas Salas Maker e a
aquisição de novos kits pedagógicos de robótica educacional, televisores, computadores,
impressoras, notebooks e projetores multimídias a partir de 2020. “Nosso objetivo é
equipar as instituições de ensino e trabalhar para que, futuramente, nós tenhamos estes
eventos em cada uma das Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) ”, reiterou.

O diretor do Departamento de Logística da Seduc, Paulo Rezende, contou como foi a
construção do evento desde o ano passado. “Nós começamos, em 2018, somente com a
região metropolitana de Porto Alegre. Agora, temos representantes de todo o Estado.
Isso nos alegra muito porque é fundamental levar a inovação tecnológica adiante e
mostrar a importância das escolas públicas neste processo”, explicou.

Projetos inovadores

Os alunos do 4º ano do curso de Eletrônica da Escola Técnica Parobé desenvolveram
uma luva mecânica para auxiliar pessoas com fibromialgia, mal de Parkinson e síndrome
do Túnel de Carpo. A ideia é que o utensílio ajude a fixar os objetos nas mãos e evite
acidentes. “A luva, que segura o antebraço e a mão, é feita com fios e minimotores
individuais que são acionados com o movimento. Isso ameniza a dor, os tremores e
colabora na qualidade de vida do indivíduo”, explicou o estudante Marcos Schirmer.

Pensando na inclusão para alunos com deficiência, as estudantes Andrielle Marques e
Daiana da Silva, do 2º ano do Ensino Médio da Escola Jerônimo Mércio da Silveira,
elaboraram o projeto de um robô para auxiliar crianças com autismo. O intuito é que
uma tela de led mostre letras e números e reforce, pedagogicamente, o conteúdo da
sala de aula. “Desenhamos o robô quando uma prima minha descobriu que tinha dois
filhos autistas. Nosso objetivo é chamar atenção para este aluno que é diferenciado e
adequar a programação à sensibilidade de cada criança. Além disso, o contato com o
protótipo auxilia no relacionamento com as pessoas”, destacou Daiana.

Pedro Clemente é aluno da Escola Ramiz Galvão, do município de Rio Pardo. Ele tem
altas habilidades/superdotação. Com nove anos, desenvolveu um trabalho sobre
astrofísica e sustentabilidade no planeta. A sua professora, Thaís Costa, contou que,
além do estudo, ele desenvolveu uma maleta itinerante que é uma espécie de Sala
Maker individual, que contém experimentos de ciências e maquetes de planetas. “As
crianças levam esta maleta para casa para aprender. O objetivo do Pedro é fazer com
que todos aprendam estes temas para tornar a aula mais divertida e interessante”,
disse.

Inclusão na robótica educacional

A Escola Heitor Villa-Lobos, de Gravataí, trabalha robótica educacional na Educação
Especial e atende alunos com os mais diversos tipos de deficiência. A professora
Rosângela Riva trabalha na sala de recursos e utiliza, além do kit de robótica, tablets
com jogos adaptados. “Nós procuramos trabalhar o raciocínio lógico através de jogos
interativos e atividades práticas que trabalhem a cognição dos estudantes”, detalhou.

Inteligência artificial

Idealize um robô que pensa sozinho e dispute jogo da velha com você. Ele pode ter uma
programação para deixar você ganhar, empatar ou até mesmo perder. O protótipo Vô-lle
cumprimenta as pessoas com a cabeça e levanta os braços quando sai vitorioso. Este é
o projeto dos estudantes do curso técnico em Informática da Escola Estadual João XXIII,
de Campina das Missões. Eles também foram uma das equipes vencedoras do 1º
concurso de Aplicativos e Games da Rede. “Existem sensores que ficam em cima do
tabuleiro que mostram onde está a jogada. Assim, ele faz a leitura de qual o próximo
movimento que precisa fazer. A meta é aumentar a interatividade e aliar afetividade
com conhecimento”, explicou a aluna Marina Welter.

...

Assembleia homenageia escolas estaduais com melhor desempenho em índice de educação


O Troféu Educacional Governador Leonel Brizola, da Assembleia Legislativa,
homenageou 14 escolas estaduais e 12 municipais que obtiveram as melhores notas no
Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). A cerimônia, na manhã desta
quarta-feira (16/10) no Memorial do Legislativo, contou com a presença do secretário da
Educação, Faisal Karam.

Nas séries iniciais do Ensino Fundamental, oito instituições do Estado dividiram o pódio.
A Dionísio Lotharo, de Tapera, e Dalva Zanotto Lemos, de Vacaria, obtiveram nota 8,3 e
compartilharam o primeiro lugar. Em segundo, a Carlos Fetter, de Farroupilha, e
Joaquim Gonçalves Ledo, de Mormaço, tiveram nota 8. Em terceiro, a Vicente de
Carvalho, de Dois Lajeados, a Professora Adelina Zanchi, de Faxinal do Soturno, a Rui
Barbosa, de Ijuí, e a José Canellas, de Pinheirinho do Vale, conquistaram 7,8.

Nas séries finais do Ensino Fundamental foram três escolas melhores colocadas: a
Orestes Manfro, de São Marcos, com 7. Em segundo, a Afonso Pena, de Frederico
Westphalen, alcançou 6,9. Em terceiro, a Antônio de Souza Neto, de Flores da Cunha,
obteve 6,8.

No Ensino Médio, o Colégio Tiradentes da Brigada Militar, de Passo Fundo, teve nota de
6,6. Depois, o Colégio Tiradentes, de Porto Alegre, obteve 6,4. O Colégio Tiradentes de
Santa Maria ficou em terceiro com o índice de 6,8.

O secretário Faisal Karam parabenizou as instituições e enfatizou as localidades onde o
trabalho realizado pelos professores conta com o apoio da comunidade escolar.
“Sabemos que temos inúmeros desafios pela frente e da necessidade de tornarmos a
escola atrativa para os alunos. Entretanto, é possível verificar, através dos dados, que
nas cidades do interior o envolvimento das famílias é muito maior. Isso faz toda
diferença e acaba sendo a grande referência para o estudante. Deixo aqui o meu
agradecimento a todos que contribuíram para este rendimento de alto nível”, destacou.

A diretora da Escola Dionísio Lotharo, Terezinha Mirtes da Silva, destacou o momento:
“receber esta homenagem é uma honra para nós que somos uma escola do interior, e
isso nos faz entender que estamos no caminho certo.”

A deputada Fran Somensi (PDT), responsável por conduzir a premiação, elogiou o
desempenho dos estudantes das redes municipais e estadual. “Este dia é de muita
alegria, pois podemos dizer, sim, que é possível formar alunos competitivos e
capacitados para o mercado de trabalho nas escolas públicas”, afirmou. ...

Educadores que fazem a diferença na vida de estudantes


Neste 15 de outubro é comemorado o Dia do Professor. Para enfatizar a importância do
trabalho destes grandes profissionais que dedicam sua vida pelo desenvolvimento da
educação, despertando continuamente o interesse de crianças e jovens, a Secretaria da
Educação (Seduc) conta a história de educadores que fazem a diferença na vida dos
estudantes.

É o caso das professoras Ana Paula Silva e Taís Silva. Elas, que são irmãs e foram
alunas de Curso Normal da Escola Dom Diogo de Souza, desenvolveram, na Escola Luíza
Teixeira Lauffer, em Porto Alegre, um método de ensino inovador para atrair o interesse
do aluno do século 21.

Imagine uma sala de aula com estudantes que constroem, na prática, os conteúdos
aprendidos. Na escola, os alunos montam os brinquedos com as próprias mãos, fazem
teatro, jogos e dançam com conceitos de Matemática, Português, Literatura, Ciências e
das outras disciplinas. Tudo feito com materiais recicláveis para proteger o ambiente.

Para as irmãs professoras, associar atividades lúdicas com aspectos concretos aproxima
os estudantes e facilita o aprendizado:

“O grande desafio, hoje, é manter o interesse dos alunos nas aulas. O celular acaba
sendo muito mais próximo deles do que o próprio educador. Por isso, tivemos a ideia de
trabalhar elementos como música, teatro, brincadeiras e jogos, associados ao
aprendizado”, explica Ana Paula.

Taís conta que a metodologia de ensino trabalha aspectos emocionais e ensina, por meio
de atividades práticas, a construção de projetos e o reforço dos conteúdos disciplinares.
“Não podemos mais pensar a educação a partir de concepção antiga, somente com o
quadro e o giz de cera. Temos que fazer mais para que os alunos não percam o
interesse pela escola. Os estudantes querem aprender e se divertir ao mesmo tempo.
Este é o aluno do século 21”, afirma.

Mudando de profissão para transformar vidas

Outro caso exemplar é o do professor de Matemática e robótica educacional, Jones
André Conceição. Ele, que foi um dos responsáveis pela criação do Espaço Maker da
Escola Ibá Ilha Moreira, da capital, conta que atuava desde os 17 anos como industriário
e tinha um salário médio de R$ 7 mil.

Influenciado pela mãe, que era professora, aos poucos ele foi se preparando para se
tornar um educador. Com amplo conhecimento em eletrônica, se formou em Matemática
em 2014 e se inscreveu para um contrato temporário de 40 horas. “Eu realmente
acredito na educação e não tem dinheiro que pague o brilho nos olhos das crianças
quando elas aprendem algo que realmente vai fazer diferença na vida delas”, explica.

Jones conta que, através da oportunidade de lecionar uma disciplina da grade curricular,
conseguiu unir esforços para inaugurar o Espaço Maker para robótica educacional. O
local, que atende estudantes do 6ª ao 9ª anos do Ensino Fundamental, trabalha
conhecimentos de programação, construção e elaboração de projetos eletrônicos. “Como
eu já tinha essa experiência, pelo meu histórico profissional, procurei encontrar uma
perspectiva de ensino que também contribuísse com os alunos no mercado de trabalho”,
diz.

Homenagem na Seduc

Na manhã desta terça-feira, 15 de outubro, a Seduc promove uma homenagem aos
educadores na praça de eventos Luís Quartieri Filho, no 2º andar do Centro
Administrativo Fernando Ferrari (Caff), na capital. O encontro terá apresentação do
Coral da Escola Estadual Carlos Bina, de Gravataí.

Dia dos Professores

No dia 15 de outubro de 1827 (dia consagrado à educadora Santa Teresa de Ávila),
Pedro I, imperador do Brasil, publicou decreto que criou o Ensino Elementar no Brasil.
Pelo nova lei, “todas as cidades, vilas e lugarejos deveriam ter suas escolas de primeiras
letras”.

Em 1947, um professor paulista teve a ideia de transformar a data em feriado e iniciou a
tradição de homenagear os professores no dia 15 de outubro, em referência ao decreto
de Dom Pedro I. ...

Mestrado acadêmico em conservação da diversidade biológica está com inscrições abertas


Estão abertas as inscrições para o Mestrado Acadêmico em Sistemática e Conservação da
Diversidade Biológica, ofertado em parceria pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
(Uergs), o Museu de Ciências Naturais e o Jardim Botânico de Porto Alegre, ambos vinculados à
Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema).

As aulas iniciarão em março de 2020. O prazo para inscrições de candidatos se encerra em 1º de
novembro.

O foco do curso está na descrição, ecologia e conservação da diversidade. Serão duas linhas de
pesquisa: História Natural, Ecologia e Conservação; e Taxonomia, Filogenia, Biogeografia e
Morfologia comparada de Grupos Recentes e Fósseis.

As aulas serão ministradas por docentes da Uergs e da Sema. ...

Margs oferece oficinas gratuitas ao público infanto-juvenil


No mês das crianças, o Margs promove quatro oficinas gratuitas voltadas ao público
infanto-juvenil, de 7 a 13 anos de idade. As atividades, organizadas pelo Núcleo
Educativo do Margs, serão realizadas nos dias 19 e 26 de outubro, no miniauditório e no
Torreão 3 do museu.

Estão sendo oferecidas oficinas de dobradura, escrita criativa, marcas gráficas e
experimentação de pintura e desenho, para grupos pequenos de crianças, com
acompanhamento de mediadores do Núcleo Educativo, com formação em Artes Visuais e
História da Arte.

O objetivo das oficinas é desenvolver, a partir do repertório de exposições em cartaz no
Margs, habilidades relacionadas à arte, imagem, comunicação, escrita e criação. As
inscrições devem ser feitas de maneira presencial no Núcleo Educativo do Margs (Praça
da Alfândega, s/nº, de terça a sexta, das 10h às 19h, na capital).

Confira a programação:

Oficina de escrita criativa para crianças, com Cristina Barros
Quando: 19/10, 10h
Onde: Miniauditório do Margs
Idade: indicada para crianças de 9 a 13 anos

Como podemos comunicar o que pensamos ou sentimos diante de uma obra de arte?
A oficina de escrita criativa com crianças pretende desenvolver, a partir de uma visita à
exposição “Acervo em movimento”, exercícios de escrita e comunicação com base nas
inúmeras narrativas instigadas pelas obras do acervo do Margs.

Oficina de dobraduras: pensando o 2D e o 3D, com Karina Nery
Quando: 19/10, 14h
Onde: Miniauditório do Margs
Idade: indicada para crianças de 7 a 13 anos

A oficina de dobraduras, que estabelece uma conversa com a exposição Stockinger 100
anos, pretende trabalhar com as crianças o raciocínio da escultura, desde seu projeto –
desenho, até se tornar um objeto, seja ele feito de madeira, metal, pedra ou, até
mesmo, papel. Serão feitos desenhos e dobraduras de aviões e cactus, elementos que
também habitavam o imaginário do escultor Xico.

Oficina de marcas gráficas para crianças, com Mariah Pinheiro
Quando: 26/10, 14h
Onde: Torreão 3 do Margs
Idade: indicada para crianças de 7 a 13 anos

Inspirada nas gravuras de pequenas dimensões da exposição Otacílio Camilo – Estética
da rebeldia, a oficina irá propor que as crianças possam realizar investigações sobre os
processos de impressão.
Abordando a ideia de repetição de uma mesma imagem por meio de carimbos de suas
impressões digitais e da confecção de carimbos artesanais de EVA, serão criadas
estampas individuais e coletivas.
Ao final da oficina, cada criança terá carimbos e gravuras resultantes de suas pesquisas
para levar consigo e recriar novas composições.

Oficina de experimentação em pintura e desenho, com Pâmela Zorn
Quando: 26/10, 16h
Onde: Torreão 3 do Margs
Idade: indicada para crianças de 7 a 13 anos

A oficina de experimentação em pintura e desenho busca, por meio da relação com a
exposição Lenir de Miranda – Pintura Périplo, proporcionar experiências coletivas com
desenho, pintura e coleta de texturas, fazendo uso de suportes alternativos para a
construção de um trabalho artístico.

Oficinas

Datas: 19 e 26 de outubro, sábados
Dia 19/10 – oficinas às 10h e às 14h
Dia 26/10 – oficinas às 14h e às 16h
Locais: Torreão 3 e mini auditório do Margs
Inscrições presenciais no Núcleo Educativo do Margs
Informações pelo telefone (51) 3225-7551 ...

Organizado pela Seduc, Ideathon aproxima educadores e alunos


Na oficina sobre inovação, Letícia Lais de Saibro, 16 anos, manuseia um protótipo de
automação idêntico a um carrinho de controle remoto. Enquanto isso, Vitória Regina, 14
anos, experiencia um óculos 3D altamente tecnológico. Ambas são alunas do Colégio
Estadual Marechal Rondon, em Canoas. Na manhã desta terça-feira (8/10), as
estudantes não foram até o Ideathon, na Ulbra, para aprender sobre robótica, mas sim
para ensinar.

"Nessa sala foram criados espaços com atividades que podem ser feitas dentro da
escola, seja em laboratórios ou na sala de aula. O viés da oficina é que os alunos
ensinem os professores como trabalhar com novas tecnologias", explica a coordenadora
da oficina, Nadia Ibias. Ela acrescenta que "o aluno tem de ser protagonista e estar
junto ao professor".

Para Vitória, do 9º Ano do Ensino Fundamental, interagir com os mestres facilita o
aprendizado. "Quando o professor fica só escrevendo no quadro, não se aprende tanto.
É mais fácil dizer que eu não gosto daquela matéria. Mas, quando se vê um carrinho
desses, aí fica mais divertido", descreve a estudante.

A ideia de que alunos são peças fundamentais na construção do conhecimento é um dos
conceitos desenvolvidos no Ideathon, maratona de sensibilização e cocriação de novas
estratégias da Secretaria da Educação do Estado. Esta é sexta edição do evento.

Durante todo o dia, diretores, coordenadores e supervisores escolares de 70 instituições
de ensino da Região Metropolitana fizeram uma imersão em quatro temas fundamentais:

1) inovação
2) criatividade
3) empreendedorismo
4) cocriação

As oficinas têm o apoio técnico do Sebrae e da Secretaria de Inovação, Ciência e
Tecnologia, Secretaria da Cultura e Secretaria de Trabalho e Assistência Social.

A mentora do Ideathon, Karina Menegazzo, explica que a ideia do projeto é oferecer
treinamento, até 2023, nas 30 Coordenadorias Regionais de Educação (CRE) do Estado,
contemplando as 2.500 escolas estaduais do RS. "Estamos pensando fora da caixa e
olhando para o futuro do mercado de trabalho", afirma Karina. ...

Aquisição de alimentos para merenda escolar será feita por cartão de compras a partir de 2020


O secretário de Educação, Faisal Karam, assinou, na última sexta-feira (4/10), o termo
de adesão do Rio Grande do Sul ao projeto piloto Cartão do Programa Nacional de
Alimentação Escolar (PNAE). A iniciativa do Fundo Nacional de Desenvolvimento da
Educação (FNDE), em parceria com o Banco do Brasil (BB), visa dar transparência,
aperfeiçoar a aquisição e a prestação de contas dos recursos investidos na alimentação
escolar.

A ação irá substituir a atual forma de pagamento, que ocorre por meio de talão de
cheques. A previsão de implantação é a partir de 2020 e as Coordenadorias Regionais de
Educação (CREs) serão orientadas através de formações a serem agendadas nos seis
polos educacionais do Estado.

“A ação vem ao encontro da política do governo do Estado de se tornar mais digital,
desburocratizando processos e otimizando recursos. A iniciativa também vai facilitar a
compra nas coordenadorias e nas escolas e contribuir para um controle mais rígido por
parte do Estado”, destacou o secretário.

No RS, o repasse de verbas do FNDE é feito diretamente às escolas da Rede Estadual. A
Seduc repassa os valores integralmente às direções de escola, em 10 parcelas. Isso
ocorre porque, atualmente, 100% dos estabelecimentos de ensino têm merenda gestão
escolarizada, ou seja, as direções das escolas são responsáveis pela aquisição dos
gêneros alimentícios. Agora, as 2,5 mil instituições de ensino terão um limite de crédito
mensal para adquirir os gêneros alimentícios. ...

Educação Infantil puxa crescimento do nível socioeconômico do RS


O Idese é parâmetro para avaliar a situação de municípios quanto ao desenvolvimento em
Educação, Saúde e Renda - Foto: Raquel Schneider / Ascom Seplag (foto anexa)
O Rio Grande do Sul registrou crescimento de 0,34% no Índice de Desenvolvimento
Socioeconômico (Idese) em 2016. Na comparação com 2015, o indicador passou de 0,751
para 0,754, o que mantém o Estado no patamar de desenvolvimento médio.

Dos três blocos do Idese, dois tiveram percentuais positivos: o da Educação, com o maior
avanço relativo (1,73%), e o 0,26% da Saúde, o que assegura o segmento no topo do Idese
desde 2009 (agora em 0,819). Fruto do cenário econômico, o Bloco Renda foi o único a ter
retração (-0,89%), acumulando perda de 4% nos últimos dois anos da série.

Parâmetro para avaliar a situação socioeconômica dos municípios gaúchos a partir de aspectos
quantitativos e qualitativos quanto ao desenvolvimento nestas três áreas, a divulgação do
Idese 2016, nesta quarta-feira (2/10), incluiu também os indicadores por municípios e por
Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), além de outras regionalizações
importantes para o planejamento, como as microrregiões do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), regiões de Saúde e Educação entre outras.

“Mesmo o Rio Grande do Sul apresentando indicadores que o colocam em um nível médio de
desenvolvimento, o Idese nos ajuda a identificar onde é possível melhorar, para onde as
políticas públicas precisam de um olhar mais atento”, destacou a secretária de Planejamento,
Orçamento e Gestão, Leany Lemos. A classificação vigente considera o desenvolvimento alto
aqueles indicadores maiores ou iguais a 0,800, médio os que se encontram entre 0,500 e
0,799 e baixo os que não superam o índice de 0,499.

Educação

O principal desempenho comparativo no Bloco Educação se deu com a Educação Infantil, cujo
Idese registrou ao final de 2016 um salto de 11,76%. O resultado é medido, basicamente,
pelas taxas de matrículas pelo Censo Escolar confrontadas com as estimativas da população
entre quatro e cinco anos de idade.

Responsável pelo estudo, o analista pesquisador Tomás Pinheiro Fiori, alerta para situações
bastante distintas neste segmento: enquanto cresce o nível na Educação Infantil, o sub-bloco
do Ensino Médio teve um recuo de 6,37% ao repetir a comparação das matrículas com as
estimativas de gaúchos entre 15 e 17 anos.

”Como apenas no biênio 2015-2016 esta redução chegou a -9,72% nas matrículas totais,
pode-se estabelecer uma relação entre a conjuntura econômica do país e o possível
deslocamento de jovens em idade escolar para atividades que ajudem a complementar a
renda familiar em tempos de crise”, complementou Fiori, que integra a equipe de
pesquisadores do Departamento de Economia e Estatística (DEE), órgão vinculado à Secretaria
de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag). O pesquisador acrescentou ainda que as
matrículas neste nível de ensino vêm caindo em ritmo mais acelerado desde o início da série
do Idese, em 2007.

Saúde

O Bloco Saúde, embora tenha apresentado avanço mais modesto, é o único do Idese gaúcho a
se manter em nível elevado de desenvolvimento, com índice apurado, em 2016, de 0,819,
com evolução positiva na maioria dos componentes em todos os anos do Idese.

É o caso dos indicadores que medem as condições materno-infantis, que atingiu 0,839 em
2016 (0,69% acima do ano anterior). Nesse sub-bloco, o Idese é estimado a partir de dois
indicadores principais, que são a taxa de mortalidade de crianças até cinco anos de idade e a
taxa de nascidos vivos cujas mães realizaram pelo menos sete consultas pré-natal. “O
desempenho nestes indicadores também é bastante positivo, com destaque especial para a
mortalidade infantil, que se aproxima de índices observados em média nos países mais
desenvolvidos”, destacou o analista.

O bom desempenho gaúcho em saúde decorre do fato de que grande parte dos indicadores
utilizados se refere à mortalidade, sendo a população do RS uma das mais longevas do país.
Quando se trata do índice específico de longevidade e mortalidade, o sub-bloco estimado para
o conjunto do Estado apresenta níveis elevados desde o primeiro ano da série, em 2007
(0,840), tendo alcançado 0,869 na estimativa mais recente, de 2016.

Renda

O Bloco Renda, do Idese 2016, deu continuidade ao processo de retração verificado em 2015,
condizente com a conjuntura econômica nacional. O índice de 0,732 coloca o Estado quase no
mesmo patamar de 2012 (0,730), distante do nível alcançado no ápice da série histórica, em
2014 (0,763).

Municípios da Serra lideram

Pelo sétimo ano consecutivo na série do Idese, Carlos Barbosa, na região da Serra, figura na
liderança do índice geral do Idese para os municípios, com 0,884, desempenho levemente
superior a 2015 (0,879), mas ainda inferior ao seu ápice de 2014 (0,892).
Evolução

Entre os municípios gaúchos, nenhum apresenta nível baixo de desenvolvimento
socioeconômico, quando medido pelo Idese. No ano de 2016, 423 municípios apresentaram
índices médios, enquanto 74 apresentaram índices altos. Isso significa que cerca de 14,9%
dos municípios gaúchos, onde residem 27% da população gaúcha – mais de 3 milhões de
pessoas –, obtiveram índices iguais ou superiores a 0,800, em 2016.

Em comparação com 2015, foram sete os municípios que caíram do nível alto para o nível
médio de desenvolvimento. No entanto, 13 municípios seguiram o caminho inverso,
conquistando um lugar entre aqueles municípios considerados de desenvolvimento alto.

Entre os piores desempenhos de 2016, a tendência repete 2015, apenas alterando levemente
a ordem os municípios menos desenvolvidos do RS. No ano mais recente, Alvorada caiu uma
posição para assumir o último posto, em 497º lugar, com um índice total de 0,572.

Enquanto isso, Dom Feliciano, que em 2015 figurava na última colocação, melhorou o índice
de 0,567 para 0,589 e, com isso, pular uma posição, agora para 496º. Mais uma vez o
indicador que se destaca é a taxa de matrícula na educação infantil, que o município
conseguiu ampliar de 56%, em 2015, para 89%, em 2016.

Educação nos municípios

Entre os municípios com maiores índices no Bloco Educação, Picada Café, na região das
Hortênsias, se manteve no topo pelo segundo ano consecutivo e pela sexta vez na série de 10
anos do Idese, com índice de 0,848. Seu desempenho é calcado na liderança no sub-bloco de
Educação Infantil (0,965), o que significa quase todas as crianças de quatro e cinco
matriculadas. Na segunda colocação do sub-bloco do Ensino Fundamental (0,886), o que
indica os melhores desempenhos nos anos iniciais e finais avaliados pelo Saeb; além de um
excelente índice no sub-bloco do Ensino Médio, de (0,972), também calcado na quase
totalidade da estimativa de jovens de 15 a 17 anos matriculados em escolas.


...

Divulgadas equipes classificadas para o 1º concurso de Aplicativos e Games da Rede


Foi divulgada, na última semana, a lista das 10 equipes classificadas no 1º Concurso de
Aplicativos e Games Seduc RS, promovido pela Secretaria da Educação. As equipes
vencedoras receberão medalhas e participarão do 2º Festival Steam Seduc RS, que
ocorre em Porto Alegre, entre os dias 16 e 18 de outubro. Além disso, as escolas das
equipes selecionadas recebem R$ 3 mil, que serão destinados para kits de ferramentas
tecnológicas para espaços Maker. A proposta do concurso é promover o
empreendedorismo e o protagonismo dos jovens, a partir de conceitos da nova Base
Nacional Comum Curricular (BNCC), além de incentivar professores e estudantes a criar
novas ferramentas tecnológicas conectadas às necessidades da sociedade.

A responsável pelo setor de Tecnologia da Informação (TI), do Departamento de
Logística da Seduc, Magda Motta, explica que é preciso reunir as diversas áreas do
conhecimento para elaborar elementos que levem a uma nova forma de educar. "Nossa
sociedade está imersa em inovações tecnológicas e, dia a dia, temos novidades surgindo
no segmento da tecnologia. Isso precisa também estar presente no processo
educacional", destaca.

Oportunidade de empreendedorismo

O profissional da área de jogos atua no desenvolvimento de aplicativos de
entretenimento, educação, saúde e áreas afins, atuando desde a concepção e passando
pelas etapas mais distintas de produção, que correspondem ao game design,
roteirização, produção de arte 2d ou 3d, sonorização e pós-produção.

...




Edição n° 196 - Outubro 2019

Selecionar Edição
  • Edição n° 196
  • Edição n° 195
  • Edição n° 194







  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821