Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 30 de Maio de 2020. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
31239211


Edicão n° 203 de Maio 2020


Programa estadual sobre febre amarela é referência mundial
06/09/2019

A experiência de mais de 18 anos do programa de vigilância da febre amarela do Estado
tornou-se uma referência reconhecida internacionalmente. Na última semana o biólogo Marco
Antônio de Almeida esteve no Panamá, onde palestrou em um congresso de doenças
infecciosas emergentes. Em outubro, ele e outros servidores do Centro Estadual de Vigilância
em Saúde (Cevs) irão a Guiana, a convite da Organização Pan Americana da Saúde (OPAS),
treinar e capacitar agentes do país.

Além desses trabalhos, ações no Estado buscam evitar a entrada da febre amarela. Para isso,
um censo vacinal foi realizado em áreas rurais entre julho e agosto, além de visitações a
localidades do Norte, Serra e Litoral, por onde estima-se que o vírus possa ingressar. No
próximo dia 16, um evento em Porto Alegre reunirá profissionais de hospitais de todo o Estado
para falar sobre o manejo clínico da doença. O evento está com inscrições abertas no site da
Secretaria da Saúde.

Aprimoramento desde 2001

Marco relembra que a vigilância ambiental da febre amarela, com o monitoramento de
primatas (bugios e macacos-prego no caso do RS) começou em 2001 no Estado, quando casos
de mortes desses animais por febre amarela foram identificados nas cidades de Santo Antônio
das Missões e Garruchos, na região Noroeste. “Desde lá viemos aprimorando cada vez mais o
programa e esse papel fez com que sejamos reconhecidos por isso”, afirma. Por isso, o
trabalho do Cevs já foi levado como modelo a diversos estados do país e no exterior.

Como forma de levar esse conhecimento para outras regiões, a OPAS convidou a equipe do
Estado para cursos e capacitações na Argentina, Suriname e Peru entre esse ano e o ano
passado. Em outubro, o grupo embarcará para a Guiana. Além de Marco, os biólogos Edmílson
dos Santos e Jader Cardoso irão ao país para o trabalho junto aos profissionais de saúde
locais.



Ações no Estado

Atualmente, o país passa pelo maior surto da doença na história. Desde 2017, o estado de
São Paulo passou a apresentar casos. Na sequência, o vírus se propagou para o Paraná e, por
último, Santa Catarina, sempre pela área rural. No Rio Grande do Sul não são identificados
casos transmitidos dentro do Estado desde 2009. Segundo o Ministério da Saúde, já foram
confirmados no país este ano 85 casos em humanos, sendo 15 óbitos entre eles.

Frente a esse panorama, algumas medidas foram desencadeadas no RS. Uma delas foi um
censo vacinal de febre amarela nas áreas rurais. O trabalho previu, entre os meses de julho e
agosto, a visitação casa a casa nesses locais para o levantamento da situação vacinal dessa
população e imunização das que ainda não tomaram a dose. As áreas mais suscetíveis são o
Norte, a Serra e o Litoral Norte, em virtude da divisa com Santa Catarina e onde há a
presença de áreas silvestres de mata, por onde o vírus pode avançar. Até agora já foram
procurados 14 municípios dessas regiões, onde 309 residências foram visitadas, com 902
pessoas entrevistadas. Neste mês de setembro, uma nova expedição está prevista para as
áreas rurais das cidades de Vacaria e Bom Jesus, entre os dias 23 e 27. “A ideia é fazer com
essas pessoas uma rede de vigilância, já que o mais provável é que sejam elas as primeiras a
identificar um macaco morto na mata”, explica Marco.

Além disso, Secretaria da Saúde (SES) orientou que todos os municípios do Estado
realizassem até o final de agosto um censo vacinal de febre amarela nas áreas rurais. O censo
teve por objetivo fazer a busca por pessoas não vacinadas nesta que é a população mais
exposta.



Importância da preservação dos macacos

Na natureza, as principais vítimas da febre amarela são os macacos, que no Rio Grande do Sul
são representados pelas espécies do bugio e macaco-prego. Os primatas não são responsáveis
pela transmissão. Esses animais são sentinelas, já que servem como indicador da presença do
vírus em determinada região. A transmissão não ocorre de animal para humano. A doença é
transmitida pela picada do mosquito.

Caso a população encontre macacos mortos ou doentes, deve informar o mais rapidamente ao
serviço de saúde do município ou do Estado. O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs)
dispõe do telefone 150 para informações, com atendimento de segunda a sexta-feira (das
8h30 às 22h) e aos sábados, domingos e feriados (das 8h às 20h).



Vacinação para a população geral

A vacina contra a febre amarela também está disponível nas Unidades Básicas de Saúde para
toda a população, indicada para pessoas acima dos 9 meses e menores de 60 anos. A
imunização é a principal ferramenta de prevenção e controle da febre amarela. A aplicação em
pessoas com mais de 60 anos só é orientada mediante avaliação e prescrição médica. O
esquema vacinal é de uma dose única, que deve ser administrada pelo menos 10 dias antes
do deslocamento para áreas de risco (matas, florestas, rios, cachoeiras, parques e o meio
rural). Quem já tomou ao menos uma dose da vacina não precisa de nova aplicação.



O que é a doença?

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido, no
meio rural e silvestre, pelo mosquito Haemagogus. O vírus é transmitido pela picada dos
mosquitos transmissores infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa. A febre
amarela tem importância epidemiológica por sua gravidade clínica e potencial de disseminação
em áreas urbanas infestadas pelo mosquito Aedes aegypti.

Os sintomas incluem: início súbito de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas
ou no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Depois de identificar alguns
desses sintomas, procure um médico na unidade de saúde mais próxima e informe sobre
qualquer viagem para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas. Também
informe caso tenha observado macacos mortos próximos aos lugares visitados, assim como a
situação vacinal.

Em casos graves, a pessoa infectada por febre amarela pode desenvolver algumas
complicações, como febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos),
hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e
insuficiência de múltiplos órgãos.






Edicão n° 203 de Maio 2020
25/05/2020 - Prefeitura de Eldorado do Sul investe em mais segurança.
25/05/2020 - CMPC doa 1 milhão de máscaras ao Rio Grande do Sul
25/05/2020 - Consumidor pode conferir evolução diária do preço médio dos combustíveis em cada município gaúcho
25/05/2020 - Vento em Belém Novo causa turbidez da água e desabastecimento
25/05/2020 - Secretaria da Agricultura faz alerta de golpe para prefeituras e produtores rurais
25/05/2020 - Pedidos para o Programa Troca-Troca de Sementes começam nesta segunda-feira
25/05/2020 - Dermatologista reforça importância da higiene adequada do celular
25/05/2020 - DNIT executa serviços de manutenção nas BRs 290, 116 e 471
16/05/2020 - Estudos iniciais apontam que o COVID-19 pode provocar também lesões na pele
16/05/2020 - Doação de sangue é fundamental em tempos de pandemia
16/05/2020 - Comunicado
16/05/2020 - Supermercado interditado em Eldorado do Sul
16/05/2020 - Boletim informativo Corona Vírus
16/05/2020 - Boletim Covid 19 em Butiá
16/05/2020 - Prefeitura de Butiá perdeu mais de R$ 600 mil em arrecadação no mês de abril
16/05/2020 - Entrega de 10 novos leitos de UTI em Caxias do Sul reforça enfrentamento à Covid-19 no RS
16/05/2020 - Pré-Enem Seduc RS começa nesta segunda, com exibição diária na TVE
16/05/2020 - É possível agendar por WhatsApp confecção de carteira de identidade na Capital
16/05/2020 - Operação integrada fiscaliza mais de oito mil estabelecimentos na capital
16/05/2020 - Primeiro dia da retomada do atendimento presencial no SINE da capital
12/05/2020 - Município atinge meta histórica de vacinação contra a gripe
11/05/2020 - PRF recupera em Eldorado do Sul veículo roubado e clonado
11/05/2020 - PRF prende três homens com droga em Guaíba
07/05/2020 - Governo lança site com taxa de ocupação de leitos em tempo real
07/05/2020 - Ficar em casa é uma ótima chance para eliminar os focos do mosquito da dengue
07/05/2020 - Estado usará dados de celulares sobre mobilidade da população para combater pandemia
07/05/2020 - Exames de coronavírus comprados pela prefeitura de Porto Alegre vão ampliar teste para todos com sintomas
05/05/2020 - Prefeito reúne representantes dos 16 shoppings de Porto Alegre
05/05/2020 - Estado garante pagamento de diárias de novos leitos de UTIs
01/05/2020 - DNIT libera mais cinco quilômetros de pista duplicada da BR-116/RS
30/04/2020 - Farmácia do Noel
30/04/2020 - A burocracia que pode matar
30/04/2020 - Governador apresenta modelo de distanciamento controlado
30/04/2020 - Bandeiras e protocolos: entenda o modelo de distanciamento controlado
30/04/2020 - Aulas das redes pública estadual e municipal ficam suspensas até junho
30/04/2020 - Controle do coronavírus em Santo Ângelo é tema de videoconferência
30/04/2020 - Secretaria da Saúde prepara portaria para ações de prevenção à Covid-19 em lares de idosos
30/04/2020 - Governo publica decreto em caráter transitório para funcionamento do comércio
30/04/2020 - Novo comandante militar do Sul toma posse
30/04/2020 - Desinfecção de locais públicos segue na Capital
30/04/2020 - Secretaria Municipal de Saúde de Butiá informa
30/04/2020 - Uso de máscara passa a ser obrigatório no município
30/04/2020 - Guaíba conta com 7 ventiladores mecânicos
30/04/2020 - Eldorado do Sul mantém suspensão das aulas
30/04/2020 - Prefeitura incentiva o uso de máscaras



Edição n° 203 - Maio 2020

Selecionar Edição
  • Edição n° 203
  • Edição n° 202
  • Edição n° 201







  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821