Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 21 de Novembro de 2018. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
26364745


Edicão n° 185 de Novembro 2018


As lesões de esforços repetitivos
08/05/2018

A sigla LER significa lesões por esforços repetitivos, sendo também denominada como distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT), que são doenças caracterizadas pelo desgaste de estruturas do sistema musculoesquelético que atingem várias categorias profissionais.
Dentre as categorias atingidas pela enfermidade da LER ganha relevância aquelas relacionadas às profissões vinculadas à estética humana, tais como cabeleireiros, barbeiros, esteticistas, manicures e pedicures, depiladoras e maquiadores, profissionais que exercem atividades de higiene e embelezamento capilar, estético, facial e corporal dos indivíduos.
No Brasil, segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais de 2016 (Rais), há 10.949 trabalhadores nesse segmento. As mulheres ocupam a maioria das vagas: são 10.512 mulheres e apenas 437 homens. Mesmo sendo minoria, eles ganham, em média, mais do que elas. De acordo com a Rais, o profissional do sexo masculino recebe, em média, R$ 1.646,29, enquanto a do feminino, R$ 1.513,22. A remuneração média nacional é R$ 1.518,19.
A vinculação entre os trabalhadores esteticistas e as doenças de esforço repetitivo se dá considerando que estes profissionais dependem diretamente da utilização dos membros superiores para a realização de seu trabalho. A atividade profissional envolve esforços repetitivos, suspensão dos braços no ar por longo período de tempo, além de uso de força e motricidade especiais.
O reconhecimento dos direitos previdenciários destes trabalhadores sempre foi complicado, uma vez que a informalidade da atividade ainda é uma realidade. Além disso, o desfrute de uma vida estável sempre foi difícil para os esteticistas, pois, historicamente, quem escolhia qualquer uma dessas profissões dos salões de beleza não tinha por lei o direito aos benefícios que qualquer trabalhador com registro em carteira pode desfrutar, já que muitos trabalhavam como autônomos. Ainda, o pouco conhecimento da rotina dos trabalhadores esteticistas por parte de peritos e avaliadores ocasionaram, muitas vezes, uma equivocada análise da doença com relação ao trabalho, o que é fundamental para se concluir pela incapacidade ou não para a atividade.
Atualmente, a realidade é bastante diferente de alguns anos atrás, pois a profissão de esteticista está regulamentada (a lei nº 12.592, de 18 de janeiro de 2012) e o recolhimento previdenciário é mais facilitado, inclusive com o enquadramento como microempreendedor individual. Mudou o reconhecimento desta espécie de trabalho como fator de valorização da atividade. Tempo atrás, a ocupação de cabeleireiro não constava sequer na lista de profissões.
Assim, em caso de ocorrência de lesões no corpo do esteticista ocasionadas pelo exercício da atividade, é possível a postulação do benefício por incapacidade para afastamento da atividade e tratamento adequado. Estes podem ser auxílio-doença (incapacidade temporária), aposentadoria por invalidez (incapacidade permanente) ou auxílio-acidente (redução da capacidade para o trabalho). Além disso, em algumas hipóteses é possível pedir a reabilitação profissional, a qual visa a capacitar o trabalhador em outra profissão que não a que habitualmente exercia, o que pode ser necessário em casos de invalidez total para a atividade da esteticista. Tudo deve ser devidamente avaliado por um profissional especialista na área.
É fundamental estar com as contribuições previdenciárias em dia, independente se tratar de um esteticista empregado, autônomo ou microempreendedor individual. O enquadramento equivocado na previdência pode ser motivo para o indeferimento do benefício.
É maravilhoso poder mexer, mudar e transformar o visual das pessoas. Todavia, tão importante quanto esta atividade é a garantia efetiva de proteção previdenciária para estes trabalhadores. Esta não é uma responsabilidade apenas do poder público, mas também do empregador e do próprio profissional que deve conhecer e cuidar de seus direitos previdenciários.
Alexandre S. Triches
Especialista em Direito Previdenciário
OAB/RS nº 65.635
http://www.alexandretriches.com.br






Edicão n° 185 de Novembro 2018
07/11/2018 - Perfuração de Poço Artesiano
06/11/2018 - Global Med assume o Pronto-Atendimento
06/11/2018 - Praça da Matriz recebe iluminação mais eficiente e econômica.
05/11/2018 - Corsan regulariza abastecimento de água em Eldorado do Sul
05/11/2018 - Programa de Oportunidades e Direitos tem inscrições abertas para os primeiros cursos noturnos
05/11/2018 - Sartori e Leite dão início à transição nesta segunda-feira
05/11/2018 - Prova do Enem mobiliza estudantes do Rio Grande do Sul neste domingo
05/11/2018 - Substituição de geladeiras da CEEE alcança 87% do projeto no primeiro mês
05/11/2018 - Aumento de casos de sífilis preocupa médicos
05/11/2018 - Manuseio do recém-nascido exige cuidado e delicadeza
05/11/2018 - Para caminhar no ritmo certo
05/11/2018 - Coluna da OAB RS
05/11/2018 - Ponte do Guaíba: 1º mutirão encerra com 142 acordos
05/11/2018 - Polícia Rodoviária Federal prende 03 homens com cocaína em Rio Pardo
05/11/2018 - Programação - Festival
05/11/2018 - Festival der Cinema Estudantil de Guaíba começa nesta segunda-feira
05/11/2018 - Corsan regulariza abastecimento de água em Eldorado do Sul
05/11/2018 - Serviços de Guincho e Resgate
03/11/2018 - Acidente na Br 290 em Eldorado do Sul mata 03 pessoas
03/11/2018 - Prefeito Ernani recebe visita da Diretora e Professores da E.M.E.F. Luiza Maria
02/11/2018 - Seduc prepara avaliação do rendimento escolar do RS
01/11/2018 - Farmácia do Noel
01/11/2018 - Anuncie no Jornal ECO do Jacuí
01/11/2018 - Barbearia Roque
01/11/2018 - Serviços de Contabilidade em Eldorado do Sul
01/11/2018 - Fisioterapia no Parque Eldorado
01/11/2018 - FMP recebe Selo Instituição Socialmente Responsável
01/11/2018 - Guaíba tem 3 novas caminhonetes para usar nos postos de saúde.



Edição n° 185 - Novembro 2018

Selecionar Edição
  • Edição n° 185
  • Edição n° 184
  • Edição n° 183







  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821