Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 13 de Dezembro de 2018. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
26685159


Edicão n° 186 de Dezembro 2018


Divórcio X Alienação Parental
26/02/2018

Ao longo dos anos que acompanhamos pais (pai e mãe) com problemas de guarda de
seus filhos, prática de alienação parental, litígios intensos, processos intermináveis, há
sempre um ponto de congruência, a animosidade entre eles.

É nítido nestes casos mais calorosos (beligerância) que o divórcio ou a separação do
casal foi traumática, um total desastre que levou a falência do relacionamento.

Nestes casos, sempre há uma discussão em relação aos bens do casal, onde uma parte
entende que a outra não merece participar com o quinhão que lhe pertence, incluindo
nesta discussão a guarda dos filhos. A discussão sempre parte de ambos, pois, é a
forma de atingir um ao outro, pelos bens materiais.

Em diversos processos de guarda de menores, há a citação de que o genitor ou genitora
não está cumprindo com a divisão dos bens, ou seja, sempre surge uma discussão em
razão de valores.

Quando no processo de divórcio a guarda dos filhos provisoriamente fica a cargo da
genitora (99% dos casos), estabelece-se uma verba de alimentos provisória, devendo o
genitor ser o provedor de tal valor.

É muito comum também o genitor usar o argumento de que o valor determinado para
alimentos é exagerado e que não vai dar dinheiro para manter luxos da ex-esposa.

Ou seja, como já dito, uma discussão insana e insensata por ambos (Genitor e Genitora)
e que acaba por atingir a prole e expor ao perigo de sofrerem alienação parental, tanto
pela parte de um como do outro.

O livro AINDA SOMOS UMA FAMÍLIA da escritora Lisa René Reynolds, nos ilumina com
casos reais quando em Connecticut, nos Estados Unidos, iniciou o programa PEP –
Programa de Educação Parental, um curso ministrado pela escritora a inúmeros casais
em processo de separação.

As experiências relatadas, vividas por pessoas de diversas etnias, religião, idades, faixas
socioeconômicas, relatam inúmeras situações, diversas e particulares a cada caso,
porém, as questões essenciais sempre são comuns entre elas.

Constata-se que, na maioria dos casos de separação de casais, as vitimas são as
crianças. Foram elaboradas pesquisas nos Estados Unidos que demonstram que os filhos
de pais separados afirmam que a separação dos pais sempre lhes afetaram de forma
negativa.

A mudança que ocorre, por ocasião da separação dos casais, alterando o meio de
convivência familiar, por si só, afeta demasiadamente os filhos.

Saibam, aqueles que estão se separando ou se separaram, e vivem enorme conflito,
litigio, beligerância, que seus filhos já sofreram demasiadamente com a separação do
casal, principalmente pela sensação de terem perdido a família. Este sentimento de
perda é o mais doloroso dos sentimentos para os filhos, superando em muito a
necessidade de adaptação a nova situação de papai e mamãe não morarem mais juntos
e ainda, com a certeza de que conviverão em um ambiente de tristeza que acompanha a
separação do casal.

Esta perda, ou seja, a sensação de ter perdido a família, acaba sendo uma espécie de
luto para os filhos, sensação de vazio, da falta daquele que não mais estará presente no
dia a dia (pai ou mãe – dependendo de quem terá a guarda provisória).

Se o casal, na sua separação, não conseguir visualizar que seus filhos não se separam
deles e que continuarão sendo pais, torna a situação ainda pior para que seus filhos
superem a tristeza que lhes envolve. Sentem os filhos, que a separação dos pais é o
término de um de seus mundos.

O não entendimento do casal que se separam, de que, seus filhos já irão experimentar
uma enorme perda, o féretro da união falida de seus genitores, e ainda, derem início a
uma prática de atuar junto aos mesmos de forma a denegrir a imagem do outro genitor,
buscando culpar alguém (um dos genitores) pela falência provocada (fim do
casamento), aumentará a sensação de desespero a estas crianças.

É comum, em um litigio de divórcio e guarda de filhos, o senitor "A" quando em
companhia dos filhos, querer especular o que o senitor "B" tem feito, e posterior,
quando ao retorno dos filhos ao genitor "B", este especular sobre o que aconteceu e
como está vivendo aquele que estava com a companhia dos filhos.

As crianças se sentem usadas como sendo espiões, fofoqueiros, criando assim, mais um
conflito psicológico nas crianças. Estas, irão se sentir usadas pelos seus pais para
espionarem.

Sabemos que, uma situação de divórcio é diferente da outra, assim como, uma família é
diferente da outra, ou seja, cada casal e filhos possuem suas particularidades. Portanto,
entendemos que não há uma formula mágica ou matemática para aplicar nos casais que
decidem separar. Mas há, uma principal meta que precisamos fazer todos entenderem, e
que, a medida que esta compreensão seja ampliada, haverá a diminuição dos efeitos da
alienação parental.

A separação vai alterar a dinâmica familiar, a sua relação com seu Ex vai mudar, porém
o que não muda é que pai e mãe não extinguem a relação deles com seus filhos.
Continuarão sendo o alicerce de seus filhos, o exemplo que eles se espelharão. Portanto,
se decidiu se separar, por mais penoso que seja a separação, coloque como meta que
você (pai e mãe) deverão construir uma nova rede de relacionamento com seus filhos e
que esta será a sua nova família.

Portanto, o divórcio possui uma relação intima com a prática da alienação parental e a
destruição do psicológico dos filhos.

Cabe aos casais que se separam, antes de mais nada, buscarem auxilio de profissionais
para que possam lidar com a nova dinâmica de vida que experimentarão.

As experiências vividas por casais que, ao decidirem sobre a separação, buscam
orientações psicológicas para lidar com a situação, resultam em um processo dinâmico
de divórcio, de resolução da guarda dos filhos, da convivência entre filhos e pais
separados, de relacionamento maduro e objetivo na busca de educar e amparar os
filhos.

Nestes casos, inclusive, a divisão de bens acaba por se resolver de forma pacífica, visto
que, deixa de ser o objeto usado para o início da guerra judicial.

Mesmo em casos mais penosos, como traição, a ajuda profissional ampara o casal em
litigio, amenizando o espirito de vingança, afinal, devemos analisar friamente que, toda
a traição há uma suposta razão, ou aquele que traiu já não deveria ter se casado pois
não se sentia confortável com a companhia ou acabou por trair em razão de abandono
ou desprezo. Em geral, quem busca em outro cocho comida diferente ou é insaciável e
guloso ou abandona o que lhe ofereceram por um tempero melhor.

Logicamente sofrerei inúmeras críticas com esta afirmação, porém, se cada um analisar
friamente, resume-se exatamente nestes dois pontos.

Quando as partes entendem que não há como reatar, não há culpa, pois deixaram um
de conhecer o que o outro demonstrou anteriormente, entenderão que, o melhor para
ambos é cada um viver a sua própria vida, e ambos, viverem a vida de seus filhos, ou
seja, dedicarem-se aos filhos, mesmo que separados. Proporcionarem aos filhos o
máximo que poderão proporcionar na condição de pais separados. Conviverem com seus
filhos o máximo que puderem de forma sadia e salutar.

Alienar parentalmente as crianças em função de um divórcio mal resolvido, não é a
solução, pois as vitimas são seres humanos que não pediram para estar neste campo de
batalha e muito menos pediram para serem usadas como objetos por parte de seus
genitores insatisfeitos.

*Paulo Eduardo Akiyama é formado em economia e em direito 1984. É palestrante,
autor de artigos, sócio do escritório Akiyama Advogados Associados, atua com ênfase no
direito empresarial e direito de família. Para mais informações acesse
http://www.akiyamaadvogadosemsaopaulo.com.br/ ou ligue para (11) 3675-8600. E-
mail akyama@a






Edicão n° 186 de Dezembro 2018
12/12/2018 - Passe Livre Estudantil e Meia Entrada 2019 – Atendimento da AERGS já iniciou para o Ano de 2019
12/12/2018 - Inovação nas mesas de restaurantes
12/12/2018 - Chegou a hora de retirar o bico
12/12/2018 - Medicina brasileira deve contar com nova área de atuação: a oncogenética
12/12/2018 - Corsan recebe prêmio nacional
12/12/2018 - Feira da Agricultura Familiar se inicia em Porto Alegre
12/12/2018 - Chuvas intensas chegam ao Rio Grande do Sul nesta quarta-feira
12/12/2018 - Seminário debate o uso de novas tecnologias na gestão escolar
12/12/2018 - Eduardo Leite tem o primeiro encontro com o presidente eleito
12/12/2018 - Melhor matar a morte do que perder a vida
12/12/2018 - MP de Canoas instaura inquérito civil para investigar contaminação do solo
06/12/2018 - Encontro debate qualificação da gestão das escolas agrícolas
06/12/2018 - Servidores participam de Roda de Conversa pelo fim da violência contra mulheres
06/12/2018 - Operação Avante Papai Noel garante mais segurança nas compras de Natal
06/12/2018 - Prefeitura convida a comunidade a participar do Seminário do Plano Diretor
06/12/2018 - Prefeitura recebe banda musical do PROJARI
06/12/2018 - Rede de ensino municipal recebe novos computadores
06/12/2018 - Guaíba passa a ter vários CEPs.
06/12/2018 - Prefeitura de Butiá concede desconto e da prêmios para o pagamento do IPTU
06/12/2018 - Primeira Infância Melhor (PIM) realiza evento “Semana do Bebê”, em Butiá
06/12/2018 - Depósito de pães com fezes de roedores em supermercado é interditado
06/12/2018 - Saúde na Escola é abordado em seminário no Centro Administrativo
06/12/2018 - Selo do Inmetro será obrigatório para veículos movidos a GNV no RS
06/12/2018 - Homicídios e latrocínios têm queda no estado conforme dados da SSP
06/12/2018 - Operação desbarata organização criminosa que desviou milhões da saúde de Canoas
05/12/2018 - Bobinas de aço aumentam transporte de cargas no Porto de Porto Alegre
05/12/2018 - Viatura doada pela PRF à BM ajudará em ações de combate às drogas nas escolas
05/12/2018 - Cem mil gaúchos já têm a Carteira Nacional de Habilitação no celular
05/12/2018 - Bandidos são mortos ao tentarem assaltar a Caixa Federal em Arroio dos Ratos.
05/12/2018 - Kits de irrigação serão entregues a pequenos produtores rurais em 346 municípios
01/12/2018 - Pracinhas de Madeira Tratada
01/12/2018 - Anuncie no Jornal ECO do Jacuí
01/12/2018 - Farmácia no Parque Eldorado
01/12/2018 - Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
01/12/2018 - Secretaria da Educação conclui processo eleitoral de diretores nas escolas estaduais
01/12/2018 - Casos de Aids registram redução progressiva nos últimos dez anos no RS
01/12/2018 - Zero discriminação às pessoas vivendo com HIV/Aids é tema de campanha publicitária e seminário no RS
01/12/2018 - Receita Estadual e MP desbaratam fraude milionária no ramo de alumínio
01/12/2018 - Levantamento alerta para infestação do Aedes aegypti em 93 cidades do RS
01/12/2018 - Dono de mercado é preso em fiscalização
01/12/2018 - Decreto prorroga prazo para convocação de professores em regime especial
01/12/2018 - Governo contrata 40 médicos reguladores para atuar no Samu estadual
01/12/2018 - Operação Primeiro Comando resulta em 18 prisões no combate a homicídios em Porto Alegre
01/12/2018 - A Vero, rede de adquirência do Banrisul, está lançando um plano com máquina de cartão gratuita. Ao aderir ao Plano Free, o credenciado pode ter a máqu
01/12/2018 - DNIT/RS conclui reforma da Ponte do Fandango em Cachoeira do Sul-RS
01/12/2018 - Último mutirão para desapropriações na BR-116/RS termina com 96% de acordo
01/12/2018 - Dermatologistas visitam escolas de Porto Alegre e incentivam fotoproteção das crianças
01/12/2018 - Plano Nacional Diabólico
01/12/2018 - Coluna da OAB/RS
01/12/2018 - Rematrículas e matrículas da Rede Municipal de Ensino iniciaram nesta segunda-feira (26), em Butiá
01/12/2018 - Atenção para a lista dos contemplados com vaga para a creche e outras informações importantes:
01/12/2018 - Prefeito garante dinheiro para a saúde, em Brasília.
28/11/2018 - Transporte escolar de Eldorado do Sul contará com inspetores escolares
28/11/2018 - Decreto torna área privada em espaço público no bairro Sans Souci



Edição n° 186 - Dezembro 2018

Selecionar Edição
  • Edição n° 186
  • Edição n° 185
  • Edição n° 184







  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821