Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 23 de Janeiro de 2018. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
13860851


Edicão n° 175 de Janeiro 2018


A desigualdade no Brasil e a utopia da transformação
01/11/2017

A sociedade brasileira vem enfrentando enormes dificuldades nos últimos anos.
Corrupção endêmica, violência urbana, altas taxas de desemprego, uma grave crise
ética, falta de confiança em sua classe política são sinais claros da falta de esperança em
um futuro promissor. Como resultado imediato, aumenta o número de jovens e mesmo
de famílias constituídas que decidem construir suas vidas no exterior, refazendo o
caminho inverso de seus antepassados, 100 anos atrás.

Mas, será que a nossa sociedade tem consciência de que esta crise não é de agora? Será
que ela procura refletir as verdadeiras causas de seu infortúnio? Mais ainda, será que
ela, tomando consciência das causas reais, tem condições de combatê-las
transformando esse cenário caótico?

Não tenho a pretensão de dar uma solução definitiva à grave crise vivenciada pela nossa
população, mas gostaria de refletir sobre três pontos que considero fundamentais e que
estão na raiz de nossos problemas sociais. Claro que nossa crise não é de hoje. Nosso
flagrante atraso social vem de muito tempo, mesmo comparado a países cujos recursos
são infinitamente menores que os nossos. Minha proposta, aqui, é debater sobre temas
como a baixa escolaridade, a enorme desigualdade social e o paquidérmico tamanho do
Estado brasileiro.

A baixa escolaridade vem desde os tempos de nossa colonização europeia. Colonização
essa que foi exploradora, predatória e oportunista. Nossos primeiros colonizadores não
vieram para se estabelecer na terra, criando uma nova vida, construindo uma nova
sociedade. Vieram explorar as riquezas naturais, utilizar mão de obra escrava, juntar o
máximo de dinheiro possível e voltar para a metrópole enriquecidos. Sob esta visão, a
educação nunca atingiu um papel relevante, afinal os nobres exploradores preocupados
com a educação de seus filhos, envia-os para estudos na Europa. E para quê escravos
precisavam ler e escrever?

A independência política não modificou substancialmente esse quadro. O Brasil faz
censos regulares desde 1872 e, desde 1890, a cada 10 anos. Em 1890, início do período
republicano, a taxa de analfabetismo no Brasil beirava os 90%.

Nossos primeiros cursos de estudos superiores só foram instalados no início do século
XIX e nossas primeiras universidades, apenas, em 1934, por decreto do então
presidente Getúlio Vargas. A partir da década de 70, há um enorme declínio na
qualidade da escola pública de ensino básico, com gravíssimas consequências para a
nossa população. Hoje, estima-se que em torno de 30% dos brasileiros maiores de 15
anos são analfabetos ou analfabetos funcionais (não têm capacidade de interpretar um
texto).

A escola básica nunca foi uma verdadeira prioridade na política de Estado; ao contrário,
é apenas usada como propaganda eleitoral de governos inescrupulosos. Não há saída
para uma sociedade evoluída sem uma educação básica e massiva de qualidade.

O segundo ponto é a nossa enorme desigualdade social. De novo, um mal histórico.
Evidente que a economia brasileira cresceu e se diversificou muito desde o final do
século XIX, quando terminou a escravidão. Claro que ela permite uma ascensão social,
exemplificada em milhares de imigrantes que aqui chegaram sem nada, e se tornaram
industriais, banqueiros, empresários de sucesso. Sem dúvida, existem oportunidades,
mas são para a maioria da população?

Na sua essência, a escorchante distribuição de renda não muda, não importa a época,
não importa se há crise ou se a economia cresce muito ou pouco. A distribuição de renda
no Brasil é imutável, infelizmente. Os 10% mais ricos detêm cerca de 55% da renda
nacional, não importando o tipo de governo de plantão, enquanto os 50% mais pobres
respondem por 10% da renda. As poucas e esparsas políticas sociais, sempre com
objetivos eleitoreiros, são políticas assistencialistas, paliativas que não buscam uma real
e verdadeira transformação da situação existente.

Evidentemente, uma enorme parcela da população está condenada a viver em condições
de miséria e extrema pobreza, em estado de contínua degradação. Quanto mais essas
condições perdurarem, mais a sociedade brasileira estará condenada a viver no atraso e
em descompasso com os países mais avançados.

Sem uma distribuição de renda consistente, não teremos uma evolução em relação a
emprego, nem melhores condições de moradia, de transporte, de saúde, de uma melhor
oferta de bens e de serviços. O urgente avanço na distribuição de renda não é apenas
uma questão humanitária, é uma questão econômica, fundamental para o futuro de
todos.

Finalmente, a terceira parte de nossa reflexão: A gigantesca máquina pública, aqui
englobando os governos federal, estadual e municipal e os poderes executivo, legislativo
e judiciário.

A cultura latina, de onde somos originários, é famosa por seu grau de apadrinhamento,
nepotismo e burocracia. Esses elementos, sordidamente combinados, fizeram a máquina
pública inchar mais e mais, sem parar, ao longo de décadas. Este inchaço traz como
agravante, a necessidade insaciável de arrecadação de impostos. Além disso, o governo
em geral, proporciona uma má qualidade de serviços, penalizando quem quer produzir.

As empresas estatais, ainda que necessárias quando da sua criação, ao longo do tempo,
mostraram-se ineficientes, caras e com focos contínuos de corrupção, um cabide de
empregos disputados por políticos e apaniguados. Não por acaso, o Brasil possui o pior
retorno sobre impostos arrecadados, entre as trinta principais economias do mundo.

A máquina pública brasileira já se revelou obsoleta, ineficaz, lenta, burocrática e
corrupta. Os recursos despejados em impostos são gastos com folha de pagamento, por
meio de vultosas aposentadorias e pensões, mordomias nababescas, cargos de
confiança, entre outros, faltando dinheiro para a segurança, a saúde, a educação, a
infraestrutura, o que afeta a vida de milhões de brasileiros.

Nunca se ouve falar em redução de gastos, mas sempre na necessidade de arrecadação
de mais impostos. O governo brasileiro é uma vergonha.

A sociedade brasileira precisa enfrentar esses três pontos de frente. Qual a saída? A
sociedade civil deve estar comprometida com as mudanças estruturais. Claro que
estamos acostumados a depender do governo como um salvador da pátria, mas já
tivemos muitos e nenhum resolveu, e ninguém resolverá.

Devemos fazer a parte que nos cabe, sermos protagonistas de nosso destino, procurar
incentivar e apoiar toda e qualquer medida que favoreça a educação. Não devemos
explorar o próximo e contribuir de todo modo para uma maior e mais equitativa
distribuição de renda.

Lutar, com todas as forças, para pressionar o governo a não aumentar a carga
tributária, na verdade deve diminuí-la. Assim estaremos, efetivamente, trabalhando
para uma transformação de nossa sociedade. Utopia? Pode ser, mas lembre-se que
utopia é algo muito difícil, mas não impossível, de ser alcançado.


Por Celso Luiz Tracco *
*Master coach, palestrante e escritor. Acaba de lançar o livro "Às margens do Ipiranga",
que tem como pano de fundo a desigualdade social brasileira.






Edicão n° 175 de Janeiro 2018
22/01/2018 - Disque Vigilância 150 esclarece dúvidas sobre a febre amarela
22/01/2018 - Governo reorganiza número de escolas em função da redução na procura por vagas
22/01/2018 - Mais de sete mil motoristas já utilizam a CNH Digital
21/01/2018 - Hospital Regional de Santa Maria terá atendimento 100% SUS
19/01/2018 - Escolha da Corte do Carnaval de Butiá será dia 27 de janeiro
19/01/2018 - BR-290 terá bloqueios para obra da nova ponte do Guaíba
19/01/2018 - Vamos falar a verdade sobre o agro?
19/01/2018 - Águas-vivas no mar: saiba como lidar com as queimaduras na beira da praia
19/01/2018 - Plataforma online conecta médicos e pacientes e barateia serviços de saúde
19/01/2018 - Cáries: precisamos falar dessa questão de saúde pública
19/01/2018 - BM lança operação para reduzir o número de furtos e roubos de veículos em Porto Alegre
19/01/2018 - Susepe desencadeia operação na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas
19/01/2018 - Ação de conscientização alerta para o câncer de pele no litoral norte
19/01/2018 - Banrisul lança maior programa gaúcho de crédito para micro e pequenas empresas
19/01/2018 - Atenção com alimentação e saúde das crianças
19/01/2018 - Assinada a transferência de área para o presídio federal em Charqueadas
18/01/2018 - Nota: Clínicas particulares só receberão vacinas contra febre amarela no final de Fevereiro
17/01/2018 - Nota sobre Projeto Comunidade em Ação
17/01/2018 - Governo do Estado investe em obras emergenciais beneficiando 13 municípios
17/01/2018 - BM não registra ocorrências nos 81 dias de Natal Luz em Gramado
17/01/2018 - Portos gaúchos registram recorde de movimentação em 2017
16/01/2018 - Campanha Nota Fiscal Legal supera expectativas da Prefeitura de Butiá e já tem data de novo sorteio
16/01/2018 - Educação e Polícia Civil ampliam parceria contra violência nas escolas
15/01/2018 - Últimas semanas para parcelar o IPVA 2018 em até três vezes
15/01/2018 - Cadoda Santos será o prefeito em exercício nas próximas duas semanas
15/01/2018 - Construtivismo Lógico na Alfabetização
15/01/2018 - RS fiscaliza 5,2 mil veículos na Mobilização Nacional da Lei Seca
15/01/2018 - Batalhão de Aviação remove criança de Porto Alegre a Uruguaiana
15/01/2018 - RS é o primeiro estado a fornecer medicamento no SUS para prevenção do HIV
13/01/2018 - Acidente na BR 290 mata três pessoas em Eldorado do Sul
12/01/2018 - Esteio é o primeiro município a aderir à PPP do Saneamento proposta pelo Governo do Estado
12/01/2018 - Obras de adaptação para novo aparelho de Raio-X estão em andamento no Hospital de Butiá
12/01/2018 - Ecoponto da Colina registra números positivos após primeiro mês de atividade
12/01/2018 - Autopeças
12/01/2018 - Estalagem Bom Samaritano
12/01/2018 - Materiais de Construção
12/01/2018 - Artesanato João das Cuias
12/01/2018 - Quer melhorar suas vendas ?
12/01/2018 - Farmácia do Noel
12/01/2018 - Lavagem de automóveis
12/01/2018 - Playgrounds e casinhas
12/01/2018 - Padaria e Confeitaria no Guaíba Country Clube
12/01/2018 - Oficina Mecânica no Parque Eldorado
12/01/2018 - Eldorado do Sul lança projeto que comemora 30 anos do município
11/01/2018 - Triunfo Concepa realiza melhorias no pavimento do trecho concedido
11/01/2018 - Primeiro sorteio do Nota Fiscal Legal de Butiá será nesta sexta-feira (12)
11/01/2018 - Parque Eldorado ganha placas indicativas nas ruas
11/01/2018 - Bairro Picada ganha passeio público
10/01/2018 - Entenda como doenças respiratórias prejudicam a qualidade do sono
10/01/2018 - Gramado do Coelhão recebe reparos
10/01/2018 - Cresce a inadimplência entre as famílias com renda até 10 salários mínimos, apura a Fecomércio-RS
10/01/2018 - MPEs precisam renegociar dívidas junto à Receita Federal
10/01/2018 - Saiba como diagnosticar alergias ao calor e os testes de dermatoses disponíveis
10/01/2018 - Prazo para entrega de projetos e documentação do Auxilio Subvenção termina na sexta-feira (12)
10/01/2018 - A custo zero, Parque da Juventude em Guaíba ganha novas mesas, bancos e brinquedos
10/01/2018 - Prefeito e secretário de Saúde iniciam nova série de visitas aos postos de saúde
08/01/2018 - Como cuidar da psoríase no verão?
08/01/2018 - Tratamento de melanoma é incluído na cobertura mínima dos planos de saúde
08/01/2018 - Checklist do Detran RS ajuda na preparação da viagem de férias
08/01/2018 - Aplicativo informa condições de banho nos balneários gaúchos
06/01/2018 - A importância da Fisioterapia na sua saúde
04/01/2018 - Terra de Ninguém
04/01/2018 - Prefeito de Butiá lança projeto Prefeitura no Bairro
04/01/2018 - Prefeitura de Guaíba economiza quase R$ 8 milhões em licitações em 2017
04/01/2018 - Free Way tem novo recorde de tráfego em um único dia
04/01/2018 - Tratamento contra a celulite inclui hábitos saudáveis de vida
04/01/2018 - Administração Municipal anuncia mudanças no secretariado de Butiá
04/01/2018 - Projeto com aulas de vôlei terá continuação em Butiá
04/01/2018 - Nova empresa está pronta para iniciar atividades em Butiá
02/01/2018 - Contrabando bate recorde
02/01/2018 - Aeroporto Salgado Filho tem nova administração
02/01/2018 - Ação educativa na rodoviária explica uso do cinto em ônibus
01/01/2018 - Restaurante Kolyna
01/01/2018 - Madeira Tratada
01/01/2018 - Pizzaria
30/12/2017 - Novos diretores das escolas municipais de Guaíba tomam posse
30/12/2017 - Jazidas de argila destinadas às obras de duplicação da BR-116/RS são recuperadas
30/12/2017 - Simulador mostra impacto de mudanças no Simples Gaúch
30/12/2017 - A conclusão da Duplicação da BR 116 e a necessidade de unidade regional
30/12/2017 - Estado entrega viaturas para reforçar policiamento no Litoral Norte
30/12/2017 - Contrabando de cigarros paraguaios aumenta e provoca prejuízos para sociedade
30/12/2017 - Pagamento antecipado do IPTU aumenta chances de ganhar prêmios no Notal Fiscal Legal em Butiá
30/12/2017 - Secretaria de Obras está trabalhando nos preparativos de espaço públicos para festividades de Natal
30/12/2017 - 2017: o ano da fibra óptica no Mercado de Provedores de Internet
30/12/2017 - Dicas de hidratação e proteção completa para o verão
27/12/2017 - Novas viaturas fortalecem segurança na Região Metropolitana
27/12/2017 - Escolas estaduais reduzem índices de violência por três semestres seguidos
27/12/2017 - Saúde de Eldorado do Sul ganha novas viaturas
21/01/2017 - Vida Class e Mapfre Seguros criam apólice para internação
02/01/2017 - Renovada permanência da Força Nacional no RS por mais 180 dias



Edição n° 175 - Janeiro 2018

Selecionar Edição
  • Edição n° 175
  • Edição n° 174
  • Edição n° 173













  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821